Marcelo diz que campanha eleitoral já arrancou e não teme chumbo do orçamento

Presidente da República vê várias convergências entre os partidos de esquerda.

O Presidente da República tem visitado várias praias fluviais na região atingida pelos incêndios do ano passado
Foto
O Presidente da República tem visitado várias praias fluviais na região atingida pelos incêndios do ano passado LUSA/PAULO NOVAIS

O Presidente da República afirmou esta quarta-feira que, a nove meses das eleições europeias, os partidos já entraram em campanha eleitoral, mas não acredita que afecte a aprovação do próximo Orçamento do Estado ou a continuidade da actual legislatura.

"É óbvio que já todos os partidos entraram em campanha eleitoral", notou Marcelo Rebelo de Sousa, considerando que é normal que a nove meses das europeias já tenham "começado a aquecer os motores da campanha eleitoral, que não pararão até às eleições [legislativas] no Outono".

Apesar disso, o chefe de Estado está "convencido que a legislatura chega ao fim" e que o Orçamento do Estado de 2019 seja aprovado no Parlamento com o apoio dos parceiros da actual solução governativa (BE, PCP e PEV).

"Não estou muito preocupado com o Orçamento [do Estado para 2019]", disse Marcelo Rebelo de Sousa, que falava aos jornalistas no final de três dias de férias pelos concelhos afectados pelo grande incêndio de Pedrógão Grande, que ocorreu em Junho de 2017.

Apesar de focos de tensão entre os parceiros de esquerda, o Presidente da República referiu que, "nas últimas semanas, nas propostas que apareceram da parte dos apoios parlamentares do Governo e do próprio Governo, há uma grande convergência".

"Há propostas concretas em matéria fiscal e o Governo parece ir nesse sentido. Há propostas no domínio das pensões e o Governo parece ir nesse sentido. Há propostas no domínio dos benefícios sociais, nomeadamente no domínio do emprego e educação, e o Governo parece ir nesse sentido. Quem somar as peças do puzzle vê que não é por acaso que há ali coincidências ou convergências objectivas", frisou.

Sobre os riscos de eleitoralismo no Orçamento do Estado para 2019, o Presidente da República referiu que já alertou para essa questão e que vai "ver" o que acontece.

"Muitas das medidas correspondem a compromissos assumidos ou a compromissos novos que vão calhar em ano eleitoral e aí é inevitável que haja debate eleitoral. Em rigor, o debate eleitoral já começou. É por isso que tenho de ter muito cuidado daqui para o futuro nas deslocações porque tudo vai ser objecto de debate pré-eleitoral", salientou Marcelo Rebelo de Sousa.