Administração da CP está de saída em plena crise ferroviária

Carlos Nogueira está de saída da CP após um ano e um mês de mandato. E numa altura em que a empresa enfrenta uma situação difícil por falta de comboios e de pessoas.

Foto
LUSA/OCTÁVIO PASSOS

O conselho de administração da CP, composto por Carlos Nogueira, Abrantes Machado e Ana Malhó, está de saída e a tutela já está à procura de uma nova equipa.

Contactada a CP, fonte oficial da empresa limitou-se a responder que “não tem informação sobre esse assunto” e o Ministério do Planeamento e Infraestruturas não respondeu aos insistentes pedidos do PÚBLICO sobre a saída desta administração e a sua substituição.

Carlos Nogueira entrou na CP no dia 1 de Julho de 2017, precisamente na inauguração do comboio histórico Vouguinha e nessa altura afirmou que as suas prioridades eram elaborar um plano estratégico para a CP e avançar com a compra de material circulante.

Questionado pelo PÚBLICO sobre o seu posicionamento acerca da estratégia do seu antecessor, Manuel Queiró, o novo presidente da transportadora pública disse então que a sua gestão não seria de ruptura com a anterior, pois “não se mexe no que está bem”.

E o que era consensual nessa estratégia era que a CP precisava de comprar novos comboios. De dois tipos: material de longo curso para enfrentar a liberalização do transporte ferroviário de passageiros, prevista para 2019, e composições para serviço regional destinadas a substituir a envelhecida frota de automotoras diesel.

Mas no espaço de um ano nada disto avançou, tendo-se a situação da CP agravado com a inoperância da EMEF (Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário), incapaz de reparar e manter a frota da empresa por falta de autorização da tutela para contratar pessoal.

Os primeiros sinais de alerta ocorreram ainda no mandato de Manuel Queiró. Desde Janeiro de 2017 que passou a haver supressões de comboios na linha do Oeste a um ritmo quase diário. Em breve as supressões alastrariam às linhas do Alentejo (entre Casa Branca e Beja) e do Algarve.

Apesar dos problemas, a operação ferroviária do Verão de 2017 ainda ocorreu sem constrangimentos de maior, embora a empresa se visse confrontada com uma procura crescente para a qual não começava a dar resposta. A CP, contudo, deixou de responder a pedidos para comboios especiais (por falta de material circulante) e chegou a recusar a venda de bilhetes de grupo na linha do Oeste por não saber se conseguiria assegurar o serviço regular.

As dificuldades de pessoal da EMEF fizeram o problema alastrar ao serviço de longo curso (pendulares e Intercidades). Primeiro numa degradação do serviço ao nível do conforto, com casas de banho avariadas, portas que não fechavam, ar condicionado que não funcionava, cortinas que não eram substituídas, lâmpadas fundidas.

O motivo era simples: o material era escasso e só podia ficar nas oficinas o mínimo de tempo indispensável para se proceder à manutenção nas componentes relacionadas com a segurança. O restante tinha de aguentar mais algumas viagens até ser reparado.

Mas até isto se revelou ineficaz para esconder o problema. Há alguns meses, os Intercidades para Évora, que deveriam ser feitos com composições formadas por locomotiva e carruagens, começaram cada vez mais a ser substituídos por automotoras UTE (Unidades Triplas Eléctricas) vocacionadas para o serviço regional.

Estas mesmas automotoras chegaram também a substituir os Intercidades da Beira Alta (Lisboa – Guarda) e, não raras vezes, os Alfas Pendulares de Lisboa - Braga na sua parte final entre o Porto e a cidade dos arcebispos.

Na Primavera deste ano, a situação da CP já era de pré-ruptura com passageiros perdidos nas estações (sobretudo nas linhas do Oeste, Alentejo e Algarve) à espera de comboios que não apareciam e supressões em número cada vez maior.

E as próprias linhas suburbanas começaram também a padecer do mesmo mal, com várias supressões de comboios de Sintra e de Cascais.

No entretanto, foram várias as vezes em que tanto o presidente da CP como o ministro do Planeamento e das Infraestruturas anunciaram a compra de novos comboios, sem que tal se traduzisse numa efectivação sequer do caderno de encargos.

Questionados pelo PÚBLICO, nem a transportadora nem a tutela responderam alguma vez sobre o número de comboios a comprar. A proposta da administração anterior, plasmada no relatório CP XXI entregue ao Governo em Março de 2017, sugeria 35 comboios, dos quais dez para o longo curso e internacional e os restantes para o serviço regional.

Mas o PÚBLICO apurou que o Governo deixou cair o serviço de longo curso e prepara apenas a compra de material para o regional, deixando assim debilitado o segmento mais lucrativo da CP para enfrentar os desafios da liberalização (e abrindo assim a porta a uma eventual privatização do longo curso, assumida já pela sua oposição à direita, PSD e PP).

Verão sem comboios

A demissão da ainda actual administração da CP ocorre num momento em que a empresa foi obrigada a reduzir a sua oferta regular nas linhas de Cascais, Sintra, Algarve e Oeste devido à falta de material circulante.

O objectivo é evitar as supressões, ajustando as composições disponíveis aos horários possíveis, mas que redundaram já em erros clamorosos. Por exemplo, no Algarve a primeira automotora a sair de Lagos, às 6h16, chega a Faro às 7h59, mas a ligação para Vila Real de Santo António saiu 11 minutos antes e a próxima é 58 minutos depois.

No Oeste, a CP acabou com o serviço que tinha tido maior procura nos últimos anos: os comboios directos Caldas da Rainha – Coimbra. Agora é preciso mudar na Amieira, uma estação perto da margem esquerda do Mondego. E quem quiser viajar para a Figueira da Foz é obrigado a apanhar três comboios, sendo que num deles (entre Amieira e Verride) só percorrerá três quilómetros.

O Governo já anunciou que estes horários serão para reverter depois do Verão, voltando tudo a uma suposta “normalidade”. Foi também anunciado o recrutamento de 102 trabalhadores para a EMEF, mas o seu impacto na recuperação dos comboios que estão imobilizados à espera de recuperação não deverá ocorrer antes do fim do ano.

Tutela e CP também já anunciaram que vão alugar mais comboios a Espanha enquanto não se comprarem novas composições, mas também esta medida peca por tardia porque não terá efeitos antes do próximo ano. Até lá, a CP terá de viver com poucos e velhos comboios e com a expectativa de novas séries de material terem de parar por atingirem o limite de quilómetros percorridos e exigirem revisões gerais.