Vouguinha, o comboio histórico voltou a andar nos carris

CP inaugurou este sábado o comboio histórico na linha do Vouga. A ministra da presidência, Maria Manuel Leitão Marques e o secretário de Estado Oliveira Martins foram os passageiros imprevistos.

Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
ADRIANO MIRANDA

Há muito que um comboio não provocava tanto entusiasmo como o que percorreu os 35 quilómetros entre Aveiro e Macinhata do Vouga (concelho de Águeda) neste sábado. Sorrisos, aplausos, fotografias e até alguma emoção receberam o comboio histórico do Vouga que a CP pôs a circular nesta linha todos os sábados durante o período de Verão.

Trata-se de uma composição composta por uma locomotiva a diesel, fabricada no País Basco em 1964, que reboca três carruagens de madeira construídas no início do século XX. Estes veículos espelham uma época em que os comboios eram o motor da indústria e da tecnologia. Uma das carruagens foi construída na Bélgica em 1908, outra na Alemanha em 1925, e outra em Portugal (nas oficinas do Porto dos Caminhos de Ferro do Estado) em 1923.

O que mais as caracteriza são os varandins exteriores – iguais aos dos comboios dos filmes de cowboys – onde muitos passageiros preferem viajar para melhor desfrutar da viagem, apreciar a paisagem e tirar fotografias.

A partida de Aveiro, prevista para as 13h40, atrasou-se 15 minutos porque foi necessário esperar pela ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques, que, a título particular quis viver esta experiência. Nada de grave, porque este sábado a viagem era só para convidados. Oliveira Martins, secretário de Estado das Infraestruturas trouxe o filho que, como todas as crianças, gosta de comboios.

Para o novo presidente da CP, Carlos Gomes Nogueira, que teve nesta viagem inaugural o seu primeiro acto público (entrara em funções na véspera), a presença de dois membros do governo foi aconchegante. Nas declarações à comunicação social, o novel presidente foi cauteloso e preferiu falar apenas neste novo produto turístico da empresa. Ainda assim, admitiu ao PÚBLICO que as suas prioridades são elaborar um plano estratégico para a CP e avançar com a compra de material circulante. E questionado sobre a consensualidade que o mandato do seu antecessor, Manuel Queiró, reuniu entre os trabalhadores e clientes da empresa, Carlos Gomes Nogueira respondeu que a sua gestão não será de ruptura com a anterior. “De todo! Não se mexe no que está bem”, disse.

Por esta altura, já o comboio histórico serpenteava pela linha de via estreita do Vouga, seguido ao longo da estrada por automóveis com entusiastas que o fotografavam. A bordo, o ambiente era de festa, não só pela animação proporcionada pelo Grupo Folclórico e Etnográfico de Macinhata do Vouga, como pela experiência de viajar “pendurado” à janela numa tarde de Sol cuja temperatura era mais primaveril do que de Verão.

A velocidade deste comboio é a de uns estonteantes 25 Km/hora. Dá para apreciar os campos verdes em redor e o desordenamento da paisagem, cujas aldeias e casas parece que foram plantadas de avião. Por vezes, o comboio parece que passa no meio dos quintais, noutras segue paralelo à estrada, noutras avança por trincheiras com curvas e contracurvas escondido entre pinhais e eucaliptais.

A locomotiva Alstom que o reboca até poderiam circular a 70 Km/hora, mas a infra-estrutura não permite mais do que 50 Km/hora. O motivo pelo qual este comboio vai tão devagar é porque a sua marcha foi preparada para uma locomotiva a vapor de via estreita que foi recentemente reabilitada nas oficinas da EMEF de Contumil (Porto) para ser afecta a este serviço. Mas após a tragédia de Pedrógão Grande, a CP não quis arriscar que um comboio alimentado a carvão e a soltar faúlhas durante a viagem fosse o causador de um incêndio.  O projecto de trazer o vapor de volta ao Vouga ficou, assim, suspenso e só talvez possa ser recuperado no Inverno.

Eirol é a primeira paragem do Vouguinha, que cruza com uma automotora grafitada e decadente, cujos passageiros pasmam ao olhar para o comboio do lado. “Antigamente é que era bom”, diz um deles, insatisfeito com o material que faz o serviço regular na linha do Vouga.

Gil Nadais, presidente da Câmara de Águeda (eleito pelo PS e que agora conclui o seu terceiro mandato), saúda esta iniciativa do comboio histórico, com a qual o seu município colabora fornecendo animação, logística e parceiros à CP, mas, em declarações ao PÚBLICO, defende para a linha do Vouga uma alternativa futurista: um sistema com veículos autónomos que se podem acoplar uns aos outros conforme a procura e que permite maior frequência. Algo que diz já existir numa cidade sustentável dos Emiratos Árabes Unidos.

Mais terra a terra é o seu vice-presidente, e também candidato para lhe suceder na Câmara de Águeda, Jorge Almeida. O autarca diz que a linha do Vouga já teve algumas melhorias, mas o mais importante agora é mudar a localização das estações e apeadeiros porque as que existem são de há cem anos e entretanto o território mudou. E vai apontando pela janela da carruagem exemplos gritantes e até óbvios mesmo para quem não conhece a região: ali a 50 metros estão as escolas, o centro de saúde, a GNR, o centro de formação profissional, os bombeiros, o Continente e o Pingo Doce, mas não há nenhuma paragem. E depois a estação mais próxima fica num ermo, numa ponta da povoação, queixa-se, acrescentando que a Infraestruturas de Portugal e a CP deveriam, em diálogo com o município, mudar a localização das paragens.

A chegada a Macinhata do Vouga foi feita em apoteose com centenas de pessoas na estação a saudar este regresso ao passado. Este produto turístico, precisa, porém de alguma afinação. A empresa deverá subir a velocidade do comboio de 25 para 35 Km/hora e permitir que os passageiros possam circular entre as três centenárias carruagens por forma a que não fiquem sempre fechados no mesmo veículo. E há também pormenores que não dependem da transportadora, mas sim da Infraestruturas de Portugal: o canal ferroviário precisa de ser limpo para que os ramos das árvores e as silvas não atinjam a cara dos passageiros que viajam à janela.

O comboio histórico do Vouga circula todos os sábados com partida de Aveiro às 13h40 e chegada às 19h08. A viagem inclui oferta de produtos regionais e uma visita ao museu ferroviário de Macinhata do Vouga. O passeio custa 29,50 euros para adultos e 16 para crianças dos quatro aos 12 anos. Para quem optar por experimentar também o comboio histórico do Douro beneficia de um desconto de 25% em ambos, custando, no total, 54 euros. A CP oferece um desconto de 30% em qualquer viagem de longo curso com destino a Aveiro desde que comprada em conjunto com o comboio histórico.