Criticar, negar, aplaudir – Trump no Reino Unido com a estratégia do costume

Presidente dos EUA arrasou a solução de May para o “Brexit” numa entrevista que depois disse ser fake news. Porque, garantiu, a relação especial Washington/Londres está ao “mais alto nível”. Milhares protestaram nas ruas.

Donald Trump, Theresa May, Reino Unido, Estados Unidos, Brexit
Fotogaleria
May e Trump em Chequers Hannah McKay /Reuters
Reino Unido, Estados Unidos, Protestos contra Donald Trump
Fotogaleria
O balão na manifestação de Londres Peter Nicholls/Reuters
Donald Trump, Protesto, Protestos contra Donald Trump, Estados Unidos
Fotogaleria
Manifestação de Londres Simon Dawson/Reuters
Protesto
Fotogaleria
Apoiantes do Presidente dos EUA em Londres Kevin Coombs/Reuters
,
Fotogaleria
Enquanto Trump e May reuniram, os esposos, Melania e Philip May, visitaram um hospital em Londres Yves Herman/Reuters

No Reino Unido como na NATO. De visita ao Reino Unido, Donald Trump apostou na mesma estratégia que usou na cimeira da Aliança Atlântica, em Bruxelas – primeiro lançar o pânico, com condenações e ameaças, para depois acalmar as hostes com promessas de lealdade e compromisso. Desta vez, porém, o Presidente dos Estados Unidos foi mais longe na aplicação do seu método, ao declarar-se vítima de fake news (notícias falsas), na sequência de uma entrevista explosiva que deu ao Sun e em que arrasou a solução de Theresa May para o “Brexit” e prenunciou a impossibilidade de um acordo comercial entre Washington e Londres.

Contrariando as suas próprias declarações ao tablóide britânico, publicadas na manhã desta sexta-feira, Trump garantiu à tarde ter feito uma série de comentários positivos sobre a primeira-ministra britânica, que o Sun decidiu não publicar. “Deviam ter posto isso no título”, rematou numa conferência de imprensa conjunta com May, negando liminarmente ter criticado a chefe do executivo.  “[May] é uma mulher fantástica. Está a fazer um trabalho formidável e o ‘Brexit’ é uma situação muito complicada”, disse depois da reunião em Chequers, a residência de campo dos primeiro-ministros britânicos.

Ao lado da primeira-ministra britânica, Trump prosseguiu com as rectificações. Afinal o “soft-Brexit” que May está a negociar com Bruxelas não vai “matar” um compromisso comercial entre EUA e Reino Unido, como tinha dito ao Sun, nem beliscar a “relação especial” Londres/Washington que entende estar no “mais alto nível”. O "Brexit" é, sim, uma “oportunidade incrível”, que será “plenamente aproveitada” pelos dois países.

“Não sei o que é que [o Reino Unido] vai fazer, mas o que quer que faça está bem para mim. A decisão é deles. Só peço que garantam que podemos fazer trocas comerciais, que é a única coisa que importa”, disse.

Questionado sobre os elogios a Boris Johnson – o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros britânico que se demitiu em choque com May e a sua proposta de saída  da UE não em ruptura total mas com acordos –, Trump disse que se limitou a responder a uma pergunta sobre quem poderia ser um bom primeiro-ministro. 

Os dois dirigentes trocaram louvores, elogios e sorrisos, num ambiente de fraternização em tudo contrastante com o que se vivia, à mesma hora, nas ruas de várias cidades do país, com Londres, Manchester ou Glasgow entupidas por dezenas de milhares de pessoas que se juntaram para protestar contra a presença do Presidente dos EUA.

Trump e May defenderam ambos a necessidade de unir esforços para impedir a proliferação nuclear na Coreia do Norte e no Irão e o norte-americano revelou que a primeira-ministra britânica apoiou desde o início a exigência de mais contribuições aos parceiros da NATO.

May agradeceu ainda o apoio de Trump na resposta ao envenenamento do ex-espião russo em solo britânico com um agente neurotóxico e deu o seu aval ao encontro entre Trump e Vladimir Putin, agendado para segunda-feira em Helsínquia. O Presidente dos EUA prometeu falar com o seu homólogo russo sobre o tema, mas também sobre a Ucrânia, a Síria, a proliferação nuclear e a interferência russa nas eleições presidenciais de 2016.

Os dois destoaram apenas quando desafiados a falar sobre a imigração. Enquanto Trump insistiu que a imigração é “má” e “triste” para a Europa, por “alterar a sua cultura” e por contribuir para o crescimento da ameaça terrorista – já tinha criticado, na entrevista, o “mau trabalho” do presidente da câmara de Londres, Sadiq Khan, no combate ao terrorismo –, May recordou o que o Reino Unido tem um “orgulhoso historial” de acolhimento de imigrantes que têm vontade de contribuir para a economia britânica. 

Uma discordância de fundo que, no entanto, em nada perturbou a afirmação de que a “relação especial” está mais sólida do que nunca.  

Protestos massivos

Ao mesmo tempo que Trump abandonava a residência de campo da primeira-ministra e se juntava à mulher, Melania, para ir tomar um chá ao Castelo de Windsor com a rainha Isabel II, em Londres gritava-se contra a sua visita.

O centro da capital britânica foi esta sexta-feira o principal palco de um conjunto alargado de protestos organizados por todo o Reino Unido. O pontapé do dia de protesto foi dado com o lançamento, em frente ao Parlamento britânico, de um balão gigante que caricaturava o Presidente americano sob a forma de um bebé.

Segundo os organizadores da marcha anti-Trump, aderiram ao protesto de Londres cerca de 250 mil pessoas. Houve cânticos, gritos, máscaras e cartazes provocadores. E figuras conhecidas da política britânica, como Jeremy Corbyn, Ed Miliband ou Nick Clegg, estiveram lá.

O antigo líder do Partido Trabalhista justificou a sua participação no protesto através do Twitter, escrevendo: "Os valores de Trump não são os nossos valores”. “O seu racismo, misoginia, ataques aos valores democráticos, procuram legitimar políticas autoritárias que são profundamente perigosas e ameaçadoras para as nossas sociedades”, considerou Ed Miliband.

O antigo líder dos Liberais-Democratas, Nick Clegg, também recorreu às redes sociais para criticar o Presidente dos EUA: “Donald Trump tem todo o direito a visitar [o Reino Unido]. Nós temos todo o direito a dizer o quanto ele está errado”.