Portugal recebe de volta refugiados que foram para a Alemanha

Costa ajuda Merkel, "que tem estado do lado certo do que são os valores da Europa".

Angela Merkel, Alemanha, União Europeia, Conselho Europeu, Itália, crise dos migrantes europeus
Foto
França, Espanha, Grécia e os países bálticos assinaram compromissos semelhantes com Merkel OLIVIER HOSLET/EPA

Portugal negociou com a Alemanha a devolução de todos os refugiados que estavam registados no país mas acabaram por se estabelecer em território germânico, anunciou o primeiro-ministro, António Costa, um dos vários líderes que estenderam a mão à chanceler alemã, Angela Merkel, para a ajudar a ultrapassar a disputa com o seu ministro do Interior.

“Desejo à chanceler Angela Merkel as maiores felicidades, porque tem estado do lado certo daquilo que são os valores da Europa”, declarou Costa, que preferiu não comentar “outras actuações para fins mediáticos” no Conselho Europeu.

PÚBLICO -
Aumentar

Além de Portugal, pelo menos também a França, Espanha, Grécia e os países bálticos assinaram compromissos semelhantes, com base no artigo 36º do regulamento de Dublin, encarregando-se das retomas dos refugiados que fizeram movimentos secundários para a Alemanha.

Temos uma quota de aceitação de refugiados que é largamente superior à quota obrigatória da União Europeia, e do ponto de vista bilateral temos procurado, designadamente com a Alemanha, encontrar formas de ajudar países que estão sob uma pressão excessiva, para poderem colocar em Portugal pessoas com a oportunidade de realizar a sua vida aqui”, explicou o primeiro-ministro, lembrando que o país desenvolve há anos um “projecto exemplar a nível internacional” de acolhimento a estudantes sírios, promovido pelo antigo Presidente Jorge Sampaio.