Catarina Martins alerta que é preciso "investimento público claro no interior"

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, está a participar na "Caminhada de Memória", em que mais de 200 participantes percorrem 7,7 quilómetros da estrada nacional 236-1, onde morreram grande parte das vítimas do fogo de Pedrógão Grande, há precisamente um ano.

Catarina Martins na caminhada  organizada pela Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Castanheira de Pera
Foto
Catarina Martins na caminhada organizada pela Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Castanheira de Pera NUNO ANDRÉ FERREIRA / LUSA

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, afirmou hoje que falta fazer "muita coisa" no território afectado pelo grande incêndio de Pedrógão Grande, sublinhando que é preciso um investimento "público claro" no interior.

"Hoje, quando lembramos a necessidade de reconstruir este território, homenageamos as vítimas, lembramos que é preciso continuar a apoiar as pessoas, lembramos as pessoas que não têm apoio e dizemos que é preciso, agora, um investimento público claro no interior", disse Catarina Martins, que falava antes de participar na "Caminhada de Memória", em que mais de 200 participantes percorrem 7,7 quilómetros da estrada nacional 236-1, onde morreram grande parte das vítimas do fogo de Pedrógão Grande, há precisamente um ano.

Segundo a dirigente bloquista, "falta fazer muita coisa", considerando que é preciso não esquecer o que aconteceu na região.

Ao não esquecer, tem de se saber "o que falta fazer" e assumir "essa responsabilidade", notou, considerando que já se fez "muita coisa, mas podia ter-se feito muito mais".

"É preciso fazer mais agora", frisou, considerando que, quando se fala hoje dos perigos do abandono do território, é necessário "corrigir" os problemas, o que "significa, seguramente, uma política florestal, significa outra política agrícola e significa serviços públicos em todo o território".

Para Catarina Martins, "é preciso combater as assimetrias" e é preciso "objectivos concretos".

"Uma política muito concreta é garantir serviços públicos em todo o território. Uma política muito concreta é garantir investimentos que criam emprego em todo o território. Se não tivermos serviços públicos e emprego, o território vai ficando abandonado", frisou.

Nesse sentido, a coordenadora do Bloco de Esquerda recordou que, "nos últimos anos, foram encerrados muitos serviços públicos em todo o território", não apenas escolas, tribunais ou correios, como "serviços de proximidade do Governo", nomeadamente os serviços descentralizados do ministério da Agricultura.

"É preciso ter essa visão de proximidade do tecido social e económica. Essa é uma opção de investimento", referiu, apontando como medidas no imediato para mitigar as assimetrias a paragem do encerramento de balcões da Caixa Geral de Depósitos e a reabertura de postos dos CTT.

O incêndio que deflagrou há um ano em Pedrógão Grande (distrito de Leiria), em 17 de Junho, e alastrou a concelhos vizinhos provocou 66 mortos e cerca de 250 feridos.

As chamas, extintas uma semana depois, destruíram meio milhar de casas, 261 das quais habitações permanentes, e 50 empresas.

Em Outubro, os incêndios rurais que atingiram a região Centro fizeram 50 mortes, a que se somam outras cinco registadas noutros fogos, elevando para 121 o número total de mortos em 2017.