Florestas

Todos os tópicos

A Lusa questionou todos os partidos com assento parlamentar sobre quais as três questões centrais a esclarecer sobre o incêndio de Pedrógão Grande. PS, PSD e CDS não responderam.

  • A Lusa questionou todos os partidos com assento parlamentar sobre quais as três questões centrais a esclarecer sobre o incêndio de Pedrógão Grande. PS, PSD e CDS não responderam.

  • Anda no ar a sensação de que a pressão dos acontecimentos nos está a levar para a procura de alvos selectivos. Os alvos óbvios, mais fáceis de atingir.

  • É imperioso inverter o despovoamento do interior. E ninguém de boa-fé poderá negar que o exercício da caça é um auxiliar de excelência.

  • O actual pacote da reforma florestal tem muito pouca visão de futuro.

  • Após uma "longa reunião" com o primeiro-ministro sobre incêndios, Bloco regista abertura do Governo para acolher ideias bloquistas. PCP também apresentou propostas em conferência de imprensa.

  • António Costa recebe hoje a esquerda, em São Bento, para falar sobre incêndios. O debate segue, depois, na Assembleia da República. E pode não ser fácil.

  • A possibilidade de vir a suceder uma tragédia como a de Pedrógão só era imprevisível para quem andasse ao lado do que se estava a passar no país.

  • A paisagem florestal nacional que conhecemos tem leves resquícios do que já foi. Para trás, muito para trás, ficou um cenário que hoje apenas visitamos nas ilhas. Depois foram os Quercus, que compuseram o que agora se designa como floresta autóctone. Mas, pela mão do homem, tudo mudou e hoje o passado convive com novos visitantes, uns mais desejados que outros, uns mais nefastos que outros. Eis as espécies indígenas do país.

  • Em sentido figurado, “floresta” significa “labirinto” e “colecção variada de narrativas”. Muitas por escutar. Um privilégio de quem continua vivo.

  • Durante um século, Portugal foi um dos países do mundo onde a floresta mais cresceu. Nos últimos 25 anos, Portugal foi um dos países do mundo que mais floresta destruiu. O sonho dos anos 1980 previa um futuro onde a natureza e a economia se sustentariam. Hoje não sabemos como travar o pesadelo.