Pedrógão continua sem plano de defesa da floresta contra incêndios

Último plano apresentado foi chumbado pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas em 2015 e desde então não foi apresentado mais nenhum.

Câmara está impedida de receber apoios do estado para prevenção de incêndios.
Foto
Câmara está impedida de receber apoios do estado para prevenção de incêndios. Adriano Miranda

Quase um ano depois dos incêndios que provocaram a morte a mais de 60 pessoas, o concelho de Pedrógão Grande continua sem Plano Municipal de Defesa da Floresta contra Incêndios válido. Isso mesmo confirmou ao PÚBLICO o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), a entidade pública que aprova estes planos, e que diz que “neste momento o município de Pedrógão Grande não tem nenhum plano em vigor”.

Contactada pelo PÚBLICO, e apesar da insistência, a Câmara Municipal de Pedrógão Grande não respondeu aos pedidos de esclarecimento enviados. Contudo, o PÚBLICO sabe que a autarquia contratou, através de um ajuste directo, a realização do plano a uma empresa, o que ocorreu há apenas umas semanas.

Estes instrumentos de planeamento definem, por exemplo, as zonas de maior risco de incêndio no município, o que permite priorizar as acções preventivas como a limpeza de combustível ou a construção de caminhos. Incluem um plano de acção que calendarizam um conjunto de medidas e metas e os custos associados. Regista ainda um conjunto de informação relevante, como os pontos de abastecimento de água para os meios aéreos e terrestres de combate a incêndios e sistematiza um conjunto de procedimentos que permitem articular o funcionamento de várias entidades envolvidas na prevenção e combate aos fogos.

Segundo o ICNF, Pedrógão Grande chegou a ter um plano de defesa da floresta da primeira geração, aprovado em Fevereiro de 2007 e revisto em Setembro de 2009. Posteriormente apresentou um plano de segunda geração, cuja aprovação foi indeferida pelo ICNF em Outubro de 2015. “Após o indeferimento não foi apresentado nenhum outro plano de defesa da floresta contra incêndios por parte do município”, refere o ICNF, o que faz com que a autarquia esteja há quase dois anos impedida de receber subsídios ou apoios do Estado para esta área. O chumbo do ICNF, segundo apurou o PÚBLICO, estava relacionado com o facto de o instituto entender que não se deveria poder construir edifícios em zonas de risco alto ou muito alto de incêndio, limitação que tinha a oposição da autarquia.

Sugerir correcção