Perda de floresta bateu recorde mundial em 2016. E Portugal liderou as perdas

Em 2016, desapareceu a nível mundial o equivalente à área da Nova Zelândia. No total, desapareceram da superfície terrestre 29,7 milhões de hectares de floresta, mais 51% do que no ano anterior.

Fotogaleria
Portugal perdeu 4% da sua floresta em 2016 Adriano Miranda
O incêndio a 15 e 16 de Outubro de 2017 queimou 80% do pinhal de Leiria
Fotogaleria
O incêndio a 15 e 16 de Outubro de 2017 queimou 80% do pinhal de Leiria ADRIANO MIRANDA

Só em 2016, desapareceram 29,7 milhões de hectares de floresta em todo o mundo, o equivalente ao tamanho da Nova Zelândia. Contas feitas, trata-se de um aumento superior a 51% de floresta perdida em relação a 2015. Os números são da Universidade de Maryland e foram publicados nesta terça-feira pela Global Forest Watch, um portal de vigilância da World Resources Institute. De acordo com o instituto, este é o valor mais alto registado nos últimos 17 anos, data em que começaram os registos. Devido aos incêndios deste ano, quer em Portugal quer na Califórnia, prevê-se que no próximo ano seja registado um novo recorde de floresta desaparecida.

Os números relativos à floresta perdida incluem não só a desflorestação natural, mas também os espaços plantados pelo homem. Só Portugal perdeu 4% de área arborizada em 2016 devido à má gestão de solos e falta de prevenção, revela o relatório. A proporção de 4% é a maior entre todos os países. De acordo com a Global Forest Watch, a prevalência de eucaliptos, que ardem facilmente, conjugada com uma má gestão dos solos e a falta de medidas de prevenção, como corta-fogos, explicam este balanço.

O relatório realça que parte da responsabilidade do recorde mundial de 2016 é atribuída à desflorestação com fins agrícolas e aos incêndios no final de 2015 nomeadamente os que atingiram a Indonésia, Brasil e Portugal, que num só dia viu arder metade do total de área ardida na União Europeia.

O estudo distingue a desflorestação e a perda de floresta, esclarecendo que enquanto a desflorestação é resultado da acção humana para agricultura, minas ou construção civil, por exemplo, a perda de floresta é um conceito mais abrangente, que inclui também as causas naturais, nomeadamente os incêndios.

Na Califórnia, exemplifica o relatório, anos de seca seguidos de um Inverno particularmente chovoso fizeram crescer muita vegetação rasteira que acabou por ser o combustível ideal para incêndios, num ano em que as temperaturas elevadas bateram recordes.

Brasil: evento sem precedentes ou início de padrão?

No Brasil, por exemplo, depois de uma década de recuperação, a desflorestação tem aumentado a um ritmo constante, o que preocupa especialistas. A perda da floresta da Amazónia é uma das maiores preocupações, uma vez que contribui para o aquecimento global. No último ano, a floresta da Amazónia perdeu três vezes mais do que o que tinha perdido em 2015: 3,7 milhões de hectares.

Nas florestas tropicais os incêndios raramente acontecem de forma natural. São provocados pela mão humana, conjugados com condições meteorológicas adversas, como altas temperaturas e seca. Em 2016, pelo menos 12% da superfície terrestre experimentou seca severa todos os meses do ano, uma das secas mais generalizadas de que há registo desde 1950, de acordo com o Relatório Anual do Estado do Clima, publicado como suplemento do jornal oficial da Sociedade Americana de Meteorologia. Além disso, sublinham os autores do estudo, a desflorestação também aumenta os riscos de incêndio, uma vez que contribui para as alterações climáticas.

Uma gestão mais eficiente dos espaços florestais pode reduzir os riscos de incêndio. Além disso, o relatório destaca a importância de os sistemas detectarem ocorrências e permitirem a rápida cooperação entre meios de combate.