Governo espanhol envia 6000 reforços policiais para a Catalunha

Os agentes devem "actuar caso se mantenha o referendo ilegal". Concentrações independentistas continuam no centro de Barcelona.

Dois Mossos na concentração junto ao Palácio da Justiça de Barcelona
Foto
Dois Mossos na concentração junto ao Palácio da Justiça de Barcelona Susana Vera/Reuters

Madrid “decidiu mobilizar para a Catalunha unidades de reforço das Forças e Corpos de Segurança do Estado”, lê-se numa carta enviada esta sexta-feira pelo ministro do Interior, Juan Ignacio Zoido, ao conselheiro do Interior da Generalitat. Na verdade, segundo a imprensa espanhola, a maioria destes reforços já está na Catalunha. Ao todo, são 6000 agentes.

As forças enviadas integram a polícia nacional e a Guardia Civil (paramilitar) e na missiva do ministro explica-se que estes agentes vão actuar em apoio do Corpos de Mossos d’Esquadra, a polícia catalã, com 17 mil efectivos. A carta chega um dia depois das críticas feitas por Zoido à actuação dos Mossos, que estariam a evitar obedecer às ordens para “apreenderem urnas” e qualquer material destinado a preparar e celebrar o referendo de 1 de Outubro, suspenso pelo Tribunal Constitucional e considerado ilegal pelo Governo de Madrid.

Há duas semanas que estes agentes têm vindo a chegar em grupos à região, parte do chamado plano de Segurança para a Catalunha “para o referendo ilegal para a divisão de Espanha”, elaborado em segredo.

No caso da polícia, os agentes enviados são na sua maioria membros das Unidades de Intervenção Policial (UIP), conhecidas como antimotins – já chegaram à região 32 unidades de cerca de 50 membros cada. Quanto à Guarda Civil, estão na Catalunha ou a caminho membros dos Grupos de Reserva e Segurança (GRS). Foram ainda mobilizados agentes de áreas como Informação e Segurança Cidadã.

Para além dos Mossos, há em permanência na Catalunha cinco membros da Guarda Civil, com quartéis espalhados pela região.

Estes reforços, explica ainda o ministro à Generalitat, têm como funções “a vigilância do espaço público e a manutenção da ordem e actuarão caso se mantenha o referendo ilegal”. Nos últimos dias, desde a operação policial para deter membros do governo autonómico e outras pessoas ligadas à organização do referendo, e apreender toda a documentação ligada à consulta, o que se tem visto é guardas civis praticamente escoltados pelos Mossos, que abrem caminho entre concentrações de milhares de independentistas.

Alguns jornais mais próximos das posições de Madrid, como o El Mundo, têm dado conta de casos em que membros dos Mossos actuariam para “ajudar a Guarda Civil às escondidas das chefias”. Os sindicatos tinham tornado público que estão a receber muitas chamadas de membros do corpo catalão com dúvidas sobre como agir face a situações concretas, num cenário absolutamente excepcional.

Para alojar os reforços na Catalunha, o Governo alugou três cruzeiros já atracados nos portos de Tarragona e Barcelona – os estivadores destes portos decidiram entretanto não operar estas embarcações “em defesa dos direitos civis” dos catalães.

Entre tanta tensão e perante a escalada dos últimos dias, uma destas embarcações acaba de provocar uma vaga de piadas nas redes sociais. Trata-se do Moby Dada, que tem o exterior decorado com personagens da série de animação Looney Tunes, da Warner Bros: em concreto, o Piu Piu, o Coiote e o Silvestre.

No centro de Barcelona, junto ao Palácio da Justiça, continuam entretanto uma concentração em apoio aos detidos. Mais de duas centenas de manifestantes passaram mesmo ali a noite e já se vêem algumas tendas.

Universidade ocupada

Na quinta-feira permaneciam detidas 14 pessoas, quase todos altos cargos ou funcionários do governo regional, mas têm estado a ser postos em liberdade desde a manhã desta sexta: sabe-se que os primeiros seis libertados estão acusados de desobediência, prevaricação e desvio de fundos, mas não de insurreição, ao contrário do que acontece com o secretário-geral da Economia, Josep Maria Jové.

Jové foi entretanto destituído do cargo para não ter de pagar a multa de 12 mil euros diários a que está obrigado por ser considerado o responsável da coordenação do referendo (apesar de não ser garantido que a justiça o poupe mesmo assim aos pagamentos). Na quinta-feira, o Tribunal Constitucional já condenara os membros do Conselho Eleitoral formado pela Generalitat para o referendo ao pagamento de multas diárias.

A alguma distância do Palácio da Justiça (situado junto ao parque da Ciutadella), cerca de três mil estudantes concentraram-se na Praça da Universidade (vizinha da Praça da Catalunha), enchendo-a, para depois ocuparem o Edifício Histórico da Universidade da Catalunha, em defesa da consulta sobre a independência. Alguns edifícios da universidade foram entretanto encerrados para evitar uma ocupação maior, diz uma trabalhadora citada pelo El País.

Sugerir correcção