Draghi: Os salários na Europa já são mais flexíveis, mas apenas para baixo

Lentidão das empresas a subir salários é uma das explicações dadas por Mario Draghi para que a inflação não esteja a subir, conduzindo à persistência do BCE numa política monetária expansionista.

Reuters/INTS KALNINS
Foto
Reuters/INTS KALNINS

A passagem na zona euro de uma negociação salarial feita sector a sector para uma feita mais empresa a empresa fez com que a adaptação das firmas aos tempos mais difíceis, baixando salários, se tornasse mais fácil. Mas agora, no momento da retoma económica, essa maior capacidade de adaptação não está a ter como consequência uma subida mais rápida dos salários. O aviso foi feito por Mario Draghi que está preocupado com os obstáculos que esse fenómeno gera ao regresso da inflação a níveis mais altos.

Ver banqueiros centrais a queixar-se da ausência de aumentos salariais significativos é algo a que ninguém estava habituado a ver antes da crise. Nessa altura, o que as autoridades monetárias pediam era aumentos salariais moderados e a aplicação de regras que permitissem às empresas negociar com os seus trabalhadores tendo em conta a situação especifica em que se encontravam. Isto daria mais flexibilidade às empresas (e à economia) para se adaptarem à conjuntura.

Vários países na Europa deram esse passo – incluindo Portugal com a troika – algo que parece ter resultado numa evolução mais moderada dos salários, ainda para mais num cenário de inflação baixa.

Agora, no entanto, está a tornar-se evidente que a flexibilidade obtida resulta melhor para baixo do que para cima. Na sua intervenção na quarta edição do Fórum do BCE que se realiza até esta quarta-feira na Penha Longa, em Sintra, o presidente do banco central afirmou que “há razões para acreditar que o comportamento de definição de salários e preços na zona euro pode ter mudado durante a crise de uma forma que abranda a reacção da inflação". “Por exemplo”, disse, “as reformas estruturais que reforçaram a negociação salarial ao nível das empresas podem ter tornado os salários mais flexíveis para baixo, mas não necessariamente para cima”.

Este foi um dos factores apresentados pelo presidente do BCE como causa para um cenário que tem vindo a criar dilemas entre os responsáveis da autoridade monetária: a economia europeia está a recuperar, o desemprego tem vindo a descer, o nível de crescimento aproxima-se da generalidade das medidas de crescimento potencial e em princípio isso resultaria num aumento da pressão sobre os salários e sobre a inflação, mas a verdade é que, contra as expectativas, a variação de preços continua bastante baixa.

Esta divergência entre a realidade e aquilo que seria de esperar é crucial para as decisões que o BCE tem de tomar, nomeadamente sobre por quanto mais tempo deve manter as suas actuais políticas expansionistas (taxas de juro muito baixas e compra de dívida pública nos mercados). Se achar que a subida da inflação está próxima, deve recuar já, mas se considerar que as lógicas do passado não se aplicam agora e a inflação ainda está longe de subir, mantém a política expansionista.

Mario Draghi opta claramente pela segunda hipótese, e esta terça-feira, em Sintra, deu vários motivos para que a inflação não esteja a subir. Para além da reduzida flexibilidade das empresas para subir salários, o presidente do BCE disse que as medidas da taxa de desemprego mais frequentemente utilizadas podem ser enganadoras. É preciso utilizar um conceito mais alargado de desemprego que inclua, por exemplo, o trabalho parcial e as pessoas classificadas como desencorajadas, acrescentou.

Se, afinal, se concluir que o desemprego não está a cair tanto, isso pode explicar também porque é que as empresas não estão tão pressionadas para subir salários e a inflação não sobe.

Perante isto, Mário Draghi defende que o BCE tem de reagir aos sinais de retoma da economia com persistência, prudência e gradualismo. É verdade que o líder da autoridade monetária diz que a recuperação da economia europeia é cada vez mais clara – salientando o papel do BCE nesse resultado – mas assinala que a inflação ainda está longe da meta definida na zona euro.

Por isso, no seu discurso a uma plateia repleta de alguns dos mais influentes economistas e banqueiros centrais do mundo, Mario Draghi defendeu que “um considerável grau de acomodação monetária ainda é necessário para que as dinâmicas da inflação se tornarem duradouras e sustentáveis”. O que isto significa é que o BCE vai continuar, durante mais algum tempo, a aplicar taxas de juro muito reduzidas e a realizar compras de dívida pública, medidas que têm vindo a contribuir para o acesso ao crédito (pelas empresas, famílias ou Estado) se mantenha relativamente barato na generalidade da zona euro.

O presidente do BCE reforçou esta ideia afirmando que é necessária “prudência” e “persistência” na definição da política monetária. “À medida que a economia recupera vamos precisar de ser graduais quando ajustamos os nossos parâmetros da política, para garantir que o nosso estímulo acompanha a retoma no meio das incertezas que permanecem.