Primavera rendeu-se à potência sonora de Justice e Run The Jewels

No primeiro dia mais concorrido das seis edições do Nos Primavera Sound, o público rendeu-se à potência sonora dos Justice, empatizou com os Run The Jewels e vibrou com Miguel. Esta sexta prevê-se grande enchente.

Fotogaleria
Run The Jewels, os mais empáticos da noite PAULO PIMENTA
Fotogaleria
Os Justice encerraram o primeiro dia do NOS Primavera Sound com uma eficácia estonteante PAULO PIMENTA
Fotogaleria
Miguel apelou mais ao espírito do que ao erotismo PAULO PIMENTA
Fotogaleria
Flying Lotus deu um espectáculo audiovisual estimulante PAULO PIMENTA
Fotogaleria
Os Arab Strap PAULO PIMENTA

Por norma, o primeiro dia do festival é sempre o menos participado. Normal. É num dia de semana e funcionam menos palcos. Mas esta quinta-feira não parecia. De todas as seis edições, foi o primeiro dia com mais público. Pode ter sido pelo cartaz, mas o mais crível é que tenha sido pelo evento em si. Meia dúzia de anos depois, o NOS Primavera Sound, pela envolvência do espaço no Parque da Cidade, pela atmosfera descontraída, pelo público multinacional e pela credibilidade da programação, constituiu a melhor comunicação de si próprio. E se na abertura estava já com muito público, para esta sexta-feira prevê-se a maior enchente de sempre, naquele que será um teste organizativo, até para perceber se será possível ao festival crescer.

O que é curioso é que essa maior afluência de público acontece precisamente no ano em que o cartaz se afasta mais da linha norteadora do rock mais alternativo e, por outro lado, não apresenta propriamente um nome aglutinador da estirpe de Nick Cave, Kendrick Lamar, PJ Harvey, The National, Patti Smith, The xx ou Blur – talvez a figura mais transversal seja Bon Iver, mas mesmo esse, temos quase a certeza, irá dividir as opiniões. E isso é mau? Claro que haverá quem nostalgicamente diga que sim. Mas se a matriz do festival for estar atento ao que de mais estimulante acontece hoje no universo da música popular, parece inequívoco que existem muitas tipologias, maneiras de comunicar e formas de apresentar música em palco para multidões que merecem atenção. Não é que elas tivessem estado ausentes em edições anteriores. Mas a sua visibilidade tinha sido menor.

Percebeu-se isso esta quinta-feira com a electrónica saturada dos franceses Justice, o hip-hop denso dos americanos Run The Jewels, as visões cósmicas de Flying Lotus e o funk eléctrico do americano Miguel a congregarem a maior parte das atenções. Coube à dupla Justice encerrar a noite e fê-lo com uma eficácia estonteante. É verdade que a sua música electrónica barroca, feita de ritmos contundentes, elementos disco e linhas de baixo distorcidas, já não tem a mesma vitalidade de há dez anos, mas a potência sonora, o envolvimento cénico das luzes, a cultura visual minimal dominada pelo símbolo da cruz e o dinamismo da função continuam imparáveis.

Do início ao fim, propuseram uma toada infernal, uma explosão electrónica metalizada que resulta num som virulento de programações impetuosas. Não serão tão inventivos como os compatriotas Daft Punk, nem têm a diversidade de soluções de uns Chemical Brothers, mas, no terreno onde se movem – música de dança para massas –, continuam a fazer mossa, como se compreendeu pela reacção entusiástica da multidão que ficou até ao fim.

A estratégia de Steve Ellison, ou seja Flying Lotus, não é radicalmente diferente. Trata-se de proporcionar um espectaculo audiovisual estimulante. Mas no seu caso a vertente entretenimento é suplantada por uma visão artística onde a música, algures entre o hip-hop e o jazz, se alia a um espectáculo visual cósmico, abstracto e sensorial, com o músico-produtor situando-se por detrás de uma tela. Música e imagens geram um corpo artístico fluído, uma espécie de itinerário psicadélico onde existe recomposição de cenários reconhecidos – da sua autoria ou recriações de outros – mas onde o que prevalece resulta singular. Foi um excelente espectáculo de cultura sonora e visual. Mas é preciso ter disponibilidade para imergir nele. E nitidamente nem todo o público estava para aí virado. 

Empatia e desvario

Os mais empáticos da noite foram Killer Mike e El-P, ou seja os Run The Jewels, que se mostraram na versão clássica do hip-hop, ou seja, debitando palavras, interagindo e movimentando-se pelo palco, enquanto atrás de si está um DJ. Há dois anos já tinham estado no festival, embora actuando num palco menor, e os últimos dias passaram-nos no Porto. E essa relação com a cidade passou para o palco, com a dupla apostada em dar um bom espectáculo, como se quisesse agradecer o bom acolhimento. Às tantas Killer Mike lançou mesmo que desejavam ser cidadãos do Porto. Noutros soaria a graxa fácil. Neles, sempre meio irónicos, mas ao mesmo tempo muito genuínos, todas as palavras de devoção pareceram autênticas.

A definição e a potência do som, tal como no caso dos Justice, são fundamentais para um bom concerto. E foi isso que aconteceu. O som hip-hop saiu intenso e industrializado, enquanto os dois agitadores ora se digladiavam em jogos lúdicos de comunhão, provocando-se mutuamente de forma divertida, ora punham uma atitude mais agressiva, com a vertente politizada de algumas letras a fazer-se sentir. Foi isso que aconteceu, por exemplo, quando El-P pediu ao público para repetir com eles “Lie, cheat, steal”, refrão da canção do mesmo nome, numa alusão aos políticos que, fizeram questão de sublinhar, apesar de tudo não são todos iguais: referiam-se ao democrata Bernie Sanders, que apoiaram em 2016.

Nas primeiras filas percebe-se que existe muita gente que veio de propósito para os ver e que sabe de cor os refrães de temas como Legend has it, Down ou Blockbuster night, vibrando com a forma como comunicam. Os Run The Jewels conseguem ser ora prazenteiros, ora sérios, como na altura em que Killer Mike confessou que, apesar de o actual mundo sociopolítico dar constantes sinais de desordem, ainda vale a pena acreditar no humano, no outro, na bondade de existir, incentivando o público a não ter receio de partilhar as suas fragilidades. Despediram-se com A report to the shareholders, num bom espectáculo – em que o DJ também teve direito a brilhar em alguns momentos de virtuosismo com o gira-discos – que apenas teve o senão de não ter sido em crescendo, acabando por gerar um certo efeito de cansaço na parte final.

Antes tinha brilhado Miguel, de Los Angeles, meio mexicano, meio negro, meio americano, como ele próprio se descreveu. Acompanhado por três músicos numa formação clássica (guitarra, baixo e bateria), foi capaz de puxar pelo público quando este ainda não estava em modo de festa. A sua música, um composto de funk, soul e rock, é servida por um bom desempenho performático e por músicos que denotam evidente prazer na sua função. Percebeu-se que ainda não é ainda muito conhecida para a maioria, mas esse facto não o melindrou, a ele que é celebridade em muitos mercados. Foi humilde na comunicação, apelando mais ao espírito do que ao erotismo, como era vulgar há uns anos atrás, e acabou por conquistar.

Numa ou noutra situação, sentou-se à boca de palco interpretando baladas R&B, mas essas foram excepções num espectáculo dinâmico e enérgico, com muita electricidade rock dada pela guitarra, com os quatro intervenientes à beira do desvario em muitos momentos. Claro que a sombra de Prince, a sua grande referência, pairou pelo Parque da Cidade, quando cantou, utilizou o falsete, dançou, flirtou, lançou charme ou falou de forma mística, mas o Miguel destes dias parece mais compenetrado em si próprio, desejando ser e não tanto parecer quem não é. E isso basta-lhe.

A noite foi assim, festiva, com vozes negras, tecnologia, mesas de mistura e muita reciclagem sonora. A excepção foram os escoceses Arab Strap, regressados no ano passado depois de longa ausência e fiéis às suas canções pop de guitarras. E também, claro, ainda durante a tarde, Samuel Úria, Rodrigo Leão com o australiano Scott Mathews e os americanos Cigarettes After Sex. Nesse sentido, o final de tarde foi bem mais tranquilo. O que resultou bem, principalmente no encadeamento entre a pop nostálgica e langorosa dos Cigarettes, algures entre os Mazzy Star, os Beach House ou os Rhye, e a pop orquestral criada pela dupla luso-australiana, reforçada por mais quatro músicos. O vozeirão de Scott Matthew, a sua espontaneidade e o envolvimento dos restantes parceiros, com destaque para Rodrigo Leão, criaram a atmosfera ideal para o arranque do dia, com o público rendido quando o australiano resolveu interpretar, sozinho, apenas com a guitarra, I wanna dance with somebody, o mega-sucesso de Whitney Houston. 

Este sábado haverá Bon Iver, Angel Olsen, Nicolas Jaar, Skepta, Swans ou King Gizzard & The Lizard Wizard, mas a afluência de público poderá ser o grande centro das atenções, com a lotação já esgotada. A organização tem referido que o limite que impôs por dia é da ordem dos 30 mil espectadores.