Trump inventa ataque terrorista na Suécia para justificar medidas anti-imigração

Presidente dos EUA critica “os media desonestos” e inventa um ataque terrorista na Suécia para justificar medidas contra a imigração. Os suecos regiram na Internet.

Foto
Trump falou na Florida para nove mil apoiantes. Um comício de campanha já após a eleição. Reuters/KEVIN LAMARQUE

Cerca de nove mil pessoas reuniram-se no sábado à noite na Florida para ouvir discursar o 45º Presidente dos Estados Unidos. Em mais uma sessão de críticas generalizadas aos “media desonestos”, que “têm a sua própria agenda” e que, acusa Donald Trump, inventam notícias para condicionar a maneira como os norte-americanos percepcionam a realidade, o chefe de Estado não se coibiu de inventar um ataque terrorista na Suécia para justificar o reforço das medidas anti-imigração.

“Vejam o que está a acontecer na Alemanha, vejam o que aconteceu ontem à noite na Suécia”, disse o Presidente norte-americano. “A Suécia. Quem é que havia de acreditar numa coisa desta? A Suécia”, insistiu Trump, citado pelo Huffington Post.

“Eles [os suecos] receberam imensa gente e estão a ter problemas como nunca julgaram vir a ser possível”, afirmou o líder norte-americano aos milhares de apoiantes reunidos num hangar no aeroporto internacional de Orlando. O Presidente prosseguiu depois com referências a cidades europeias onde se verificaram ataques terroristas: “Vejam o que aconteceu em Bruxelas e o que está a acontecer em todo o mundo (...) olhem para Nice, olhem para Paris”.

Depois desta alusão a um falso ataque terrorista (do homem que afirmou na mesma noite que, “quando os media mentem às pessoas”, não os deixaria “escapar impunes”), foram várias as reacções no Twitter. Entre elas a do ex-primeiro ministro sueco, Carl Bildt, que questionou o que teria o Presidente norte-americano “andado a fumar”.

Outros, com humor, perguntaram-se se teria havido um “roubo gigantesco de almôndegas”, se alguém teria aberto uma lata de arenque fumado num local público ou mesmo se teria nevado durante a noite, relatou a versão sueca do jornal digital The Local, num artigo intitulado “Os suecos estão baralhados com ‘o que aconteceu ontem à noite na Suécia’ de Trump”.

A conta oficial da Suécia no Twitter também foi pronta a reagir e a tranquilizar os suecos e o mundo. “Não, não aconteceu nada na Suécia. Não houve ataques terroristas. Nada. A principal notícia neste momento é sobre a Melfest”, afirmou Emma, a curadora da conta, referindo-se ao festival da canção sueco, Melodifestivalen.

Já o jornal sueco Aftonbladet fez questão de responder a Trump com um resumo da actualidade noticiosa sueca: “Sr. Presidente, isto foi o que aconteceu na Suécia na sexta-feira à noite”, escreveu o jornal, dando conta, por exemplo, de que o famoso cantor Owe Thörnqvist teve problemas técnicos com a sua actuação no Melodifestivalen, ou que as condições climatéricas obrigaram a encerrar a estrada E10 no noroeste do país, entre Katterjåkk e Riksgränsen, e que um homem morreu no hospital depois de um acidente de trabalho na cidade de Borås.