Entrevista

Resposta das autoridades à proposta de 15.000 milhões para malparado deve chegar "rapidamente"

António Esteves, ex-partner da Goldman Sachs, representa um consórcio que quer aplicar 15.000 milhões de euros na compra do crédito malparado que está no balanço dos bancos portugueses, incluíndo o do Novo Banco

Foto
António Esteves saiu da Goldman Sachs em 2016, onde foi partner Rui Gaudêncio

António Esteves, com uma carreira feita na banca de investimento, esteve nos últimos anos ligado à Goldman Sachs, onde chegou ao topo (foi partner) e de onde saiu em 2016. Agora, representa um consórcio internacional que diz estar disponível para aplicar 15.000 milhões de euros em Portugal, com uma solução para o crédito malparado dos bancos.

Sobre a proposta que, como noticiou o PÚBLICO, já fez chegar ao Banco de Portugal e ao Governo, espera ter resultados no final de Fevereiro. Em entrevista, António Esteves considera que ainda é cedo para antecipar o impacto da eleição de Trump e argumenta que se a Goldman Sachs está sempre perto do poder é pela qualidade dos seus trabalhadores. Quanto a Durão Barroso, admite que esteve no centro da sua contratação, e defende que o antigo presidente da Comissão Europeia é “um activo em qualquer instituição”.

Representa um consórcio internacional que entregou uma proposta ao Governo e ao Banco de Portugal para resolver a questão do crédito malparado. E já disse que tinha 15 mil milhões disponíveis para investir no sistema financeiro português. Quais são as suas expectativas em relação ao timing da proposta?
[Espero] que as autoridades respondam rapidamente e que até ao final de Fevereiro se consiga chegar a um consenso relativamente a como resolver o tema do malparado.

Pode detalhar os termos da proposta que apresentou?
Não, mas posso dizer que entregámos uma proposta concreta para comprar a totalidade do crédito malparado ao valor inscrito nos balanços, através de uma solução totalmente de mercado e privada, na qual estou a trabalhar com a Deloitte e com a Vieira de Almeida.  

Com recurso a garantia pública?
Sim, na parte da subscrição de títulos que o veículo que for criado emitir para financiar a transacção.

Mas não se trata de auxílio estatal proibido por Bruxelas?
Não, a nossa proposta, nos termos em que foi concebida, acomoda precisamente essa exigência. 

Como é que olha para o sistema financeiro português?
O tema da CGD era complicado, mas está mais ou menos resolvido, ainda que tenha que haver uma colocação de divida subordinada [mil milhões de euros]. Prevejo que tenha de pagar juros altos [para se financiar], mas antecipo uma história de êxito. O BCP é o único banco privado independente que existe em Portugal e é muito bem gerido pelo Nuno Amado. E está a seguir o seu percurso, com um accionista âncora que vai ser a Fosun. O processo de recapitalização está a ser muito bom para os novos accionistas e muito doloroso para os antigos, mas tinha que ser feito, pelo nível de provisionamento que era necessário. Há o Montepio, a uma escala mais pequena, mas que tem um problema de crédito malparado. Quanto ao BPI e Santander não são temas.

Falta o Novo Banco.
Que é um dossiê complexo. E se me pergunta se [o Novo Banco] vai ser vendido, eu digo que não, e que se vai ter de encontrar uma solução intermédia. O Novo Banco tem uma presença importante no sistema financeiro e na economia. E quando se põe à venda uma entidade desta dimensão, aparecem estes private equities [Lone Star e Apollo] que procuram comprar querendo ter um poder negocial alto, pois acham que têm “a faca e o queijo na mão” e que estão aqui como salvadores. Mas se Portugal tivesse um pouco mais de tempo, o seu poder negocial seria outro. Acho que tem que haver aqui alguma prudência e calma.  

Como explica o papel da Goldman Sachs na crise financeira, acusada de várias irregularidades, inclusive, de fraude?
Se formos ver todos os grandes bancos de investimento, como o Deutsch Bank, por exemplo, aparecem associadas a casos. Só que cada vez que há um episódio que envolve a Goldman Sachs ele é projectado de outra maneira. Pergunta: porquê? Não sei. Mas qual é o banco que não teve um episódio?

Hoje falar de banca é falar de um activo tóxico?
Nos últimos anos, desde 2008, houve imensas mudanças no sector, a nível da supervisão, com imensa regulação. A Goldman Sachs tinha, quando eu saí [em 2016], cerca de 33 mil trabalhadores e à volta de 10 mil trabalhavam só para responder aos supervisores. E pergunta-me porque saí? Uma das razões foi esta: quando se lideram equipas muito grandes, em várias jurisdições em todo o mundo, e se alguém da minha cadeia de comando faz alguma coisa contra as regras, eu vou ter de responder, podendo no limite ser despedido e perder todo o património. São as novas regras de supervisão. E começa-se a pesar tudo isto. 

Há quem considere que a eleição de Trump é um péssimo sinal para o mundo...
É muito difícil antecipar. Obviamente, o melhor indicador do que vai ser a influência de Trump na economia americana e mundial são os mercados, que estão a responder de forma positiva. Há optimismo, com tensões inflacionistas e o desemprego em níveis muitíssimo baixos. Mas não é um fenómeno Trump, é um fenómeno anterior, pois a política expansionista da era Obama está a dar os seus frutos. E Trump chega com uns grandes títulos: “vou fazer cortes fiscais, grandes investimentos em infra-estruturas, vou aliviar toda a regulação no sistema financeiro”. E gera optimismo. Mas o sistema financeiro já se estava a valorizar. Nada mudou, apenas os multiplicadores aplicados à valorização do mercado accionista aumentaram. Mas acho que ainda é cedo para dizer o que vai fazer especificamente a administração Trump.

Esteve em Davos, onde pela primeira vez apareceu um presidente chinês, e como arauto da globalização. Alguma vez pensou que isso pudesse acontecer? 
Os chineses estão preocupados com a política comercial que Trump vai seguir. Mais uma vez, é cedo para dizermos o que vai acontecer. Estando a Europa em situação complicada e complexa e o Japão em situação delicada e difícil, os EUA são cada vez mais preponderantes, nomeadamente ao nível da moeda - o outro refúgio natural de moeda é o franco suíço, mas é pequena e sem condições de influenciar. A economia americana vai ser sempre determinante e o dólar usado cada vez mais globalmente. A China e os chineses investem por ano nos EUA, directa ou indirectamente, entre 500 e 600 biliões de dólares. É brutal. Trump chegou e disse uma série de coisas, mas perante os detalhes é que veremos [o que acontecerá].  

E qual vai ser a resposta europeia?  
Sem mudanças. O Banco Central Europeu (BCE), que teve nos últimos anos um papel crítico no mapa europeu, tem como primeira missão controlar a inflação e estabilizar os preços. E estamos a falar na âncora dos 2%. Depois do papel muito importante a seguir à crise financeira [de combate à inflação, de estabilização do sistema financeiro], e com a UE a ter algum crescimento, perguntamos qual vai ser o papel do BCE versus o que desempenhou nos últimos 10 anos. 

O ministro das Finanças alemão já alertou para a possibilidade de haver uma falta de dinamismo na economia se se mantiver a política do BCE de taxas de juro baixas...
E ouviu a resposta do Draghi? Não vejo nenhuma mudança, o BCE vai manter a sua política expansionista, de comprar dívida e vai mudar de 80 para 60 biliões e continuará a fazê-lo até final de 2018. Durante este período o contexto na UE será de taxas de juro baixas. 

E como é que a banca sobrevive?
A banca sobrevive como tem sobrevivido até aqui, se bem que com alguns casos difíceis. Mas não sei se tem este número: desde a crise foi injectado um trilião de euros de capital na banca europeia. Entre privados e estados. É notável.

E chega?
O que é que cria volatilidade no sistema financeiro? São três factores: regulação; litigância/multas; risco político. Se me perguntassem em Janeiro de 2016, se eu antevia o Brexit, a eleição de Trump, e a subida da cotação da Goldman Sachs para 250 dólares (na altura estava a 160 dólares), eu dizia que não. Mas tudo aconteceu. E toda esta volatilidade política afecta o mercado financeiro.

Acredita que a situação está controlada?
Começando pelo risco financeiro europeu que já eliminou os dois primeiros pontos: o tema da litigância está quase fechado com a multa de sete mil milhões ao Deutsch Bank, tal como está, aliás, o tema da regulação. Os alemães estavam reticentes em implementar Basel 4 [regras financeiras de base comuns globais] e procuravam argumentos para se oporem, mas não tinham coragem, pois são os grandes dinamizadores da construção europeia e do sistema financeiro europeu único. E quando Trump apareceu a dizer que não vai castigar mais os bancos americanos, e amolecer as regras, obviamente os alemães e toda a Europa começaram a dizer que era melhor parar com Basel4, sem prazo. E isto veio dar oxigénio aos bancos europeus.

Os reguladores vão deixar de exigir à banca reforços sucessivos de capital? 
A Fed e o BCE vão continuar a exigir níveis de capitais adequados, mas que hoje já estão confortáveis em 12% [há seis anos o Tier 1 estava em 4%], apesar das situações específicas, do Monte dei Paschi ou do Veneto Banca e do Novo Banco. Mas o risco de bail-in já não se coloca. Podemos ter alguns episódios em Espanha, mas, no geral, não vejo grandes surpresas. É preciso deixar a rota em que todos os anos é publicado um decreto ou uma directiva a pedir mais 1%, mais 2% [de rácio de capital]. E às tantas rebentam com as instituições.

E qual é o risco político que existe hoje?
Há as eleições na Alemanha, onde vamos ter mais do mesmo, uma coligação com Merkel. Há Itália, onde não antecipo grandes volatilidades. E há França, onde Le Pen será esmagada na segunda volta por Fillon, e vai ter outra vez um governo pró-europeu. Estou confiante que o projecto europeu vai ter força, mas vamos continuar a ter taxas de juros baixas e crescimentos modestos, nomeadamente em França e em Itália.

Como avalia o discurso recente de Theresa May sobre o "Brexit"?
Ficou claríssimo que vão sair da UE a bem ou a mal. Mas saem. As principais directrizes da mensagem são claras. Ao nível do comércio, Theresa May quer um Reino Unido completamente livre e sem estar abrangido pela lei europeia e, portanto, temos um país que não quer estar dentro da UE. Irá buscar acordos bilaterais com a UE e com países fora da UE. Em termos de emigração, disse que a partir de agora esta vai ser controlada. A livre circulação de pessoas deixou de ser uma realidade na Grã-Bretanha. E foi no processo que notei a maior agressividade de Theresa: se não chegar a acordo com a UE, sai. 

Como antevê o impacto do "Brexit"?
É mau para a UE, é um precedente péssimo. A Grã-Bretanha era factor de equilíbrio, e pode verificar-se uma maior tensão ou uma maior coesão. Como sou adepto da UE espero que seja a última. Hoje, se for aos EUA ouve banqueiros, como o Jamie Dimon, do JPMorgan, falar da UE como um projecto muito incerto.

Acredita numa UE onde há países a financiar-se a taxas negativas, como a Alemanha, e outros a 4%, como Portugal? 
Se Portugal não estivesse na UE financiava-se a dois dígitos. E é importante ter isto presente.