Festival FNAC Live dá música à Graça

O festival FNAC Live decorre este sábado, com entrada gratuita, e tem como cabeças de cartaz Dead Combo e Cais Sodré Funk Connection.

Foto
Os Dead Combo PAULO PIMENTA

A música e a alma lisboeta vão andar de mãos dadas na quarta edição do FNAC Live, festival de entrada gratuita que se realiza este sábado no bairro da Graça, em Lisboa. A FNAC aproveita, também, a ocasião para lançar o novo CD Novos Talentos, que conta com os trabalhos de 33 artistas.

O FNAC Live, que tem como cabeças de cartaz os Dead Combo e os Cais Sodré Funk Connection, ocupa pela segunda vez o típico bairro lisboeta, uma referência na cultura, na música e na literatura, depois de ter passado pelo Cinema São Jorge nas anteriores edições. “A Graça sempre foi um local de vanguarda e grande parte dos músicos de Lisboa vive neste bairro”, explicou Jorge Guerra e Paz, responsável do marketing cultural da FNAC, em conferência de imprensa esta terça-feira, no Fórum da FNAC Chiado.

O festival pretende juntar vozes experientes e artistas emergentes do panorama musical português e quer levar ao público nomes que lhe são desconhecidos. Desde o início do FNAC Live, em 2007, o festival tem lançado artistas hoje estão bem presentes no nosso dia-a-dia, como Deolinda, Linda Martini e Richie Campbell. “O futuro da música portuguesa é feito destes pequenos núcleos, que hoje são desconhecidos, mas esperemos que no futuro não o sejam”, disse Henrique Amaro, radialista da Antena 3, que integra o projecto desde o seu começo.

A selecção de artistas para o Novos Talentos fica a cargo de Jorge Guerra e Paz e Henrique Amaro, que este ano escolheram 33 bandas ou músicos para apresentar no novo CD, olhando só e apenas à música: “Os Novos Talentos estão em todo o lado, não dependem da idade." Para esta edição, o alinhamento inclui The Sunflowers, Luís Severo, Whales e Ditch Days.

O festival arranca com o debate Afinal o que é isto de ser Novo Talento?, às 17h, com a participação de Cláudia Guerreiro, baixista dos Linda Martini, Mário Lopes, jornalista do PÚBLICO, e Henrique Amaro, e terá lugar no Botequim, mítico espaço fundado por Natália Correia que foi ponto de encontro regular da intelectualidade portuguesa.

Segue-se, depois, um sem-fim de artistas espalhados por palcos ligados à música em todo o bairro. O Miradouro da Graça é o palco principal e recebe os Dead Combo e os Cais Sodré Funk Connection, veteranos nos palcos FNAC, e os Ghost Hunt, “boa música electrónica para se ouvir ao final da tarde”, segundo Jorge Guerra e Paz. Filho da Mãe, músico presente na colectânea de 2010 dos Novos Talentos, actuará no Café do Monte. A Voz do Operário, com dois palcos, recebe nomes como Quelle Dead Gazelle, Evols, The Sunflowers e Luís Severo. O bar Damas receberá vários DJ entre as 22h30 e as 4h.

O grande destaque deste dia de música vai para os Dead Combo e os Cais Sodré Funk Connection. Tó Trips, dos Dead Combo, afirma que esta é uma “aposta em novos valores e bandas voltada para a comunidade”. Já Silk, dos Cais Sodré Funk Connection, sublinha que “é uma boa oportunidade para apresentar o novo álbum, estar com família, amigos e vizinhos” numa festa que se quer “com alma”.

O FNAC Live é mais uma forma de apoio da loja à cultura e à música portuguesa. Inês Condeço, responsável de marketing, sublinha que a FNAC “é o primeiro palco de muitos artistas” e salienta a importância dos concertos organizados nas FNAC de todo o país, que saem agora para a rua. “Queremos que as pessoas descubram a alma lisboeta da Graça e dos sítios que vão ser palco do festival”, diz.

O festival tem o apoio da Junta de Freguesia de São Vicente, que “saúda a escolha do bairro da Graça e está disponível para ajudar na procura de novos artistas”, segundo Afonso Dias, do executivo. Sobre a possível expansão do festival a outras cidades, como o Porto, Inês Condeço diz que, para já, não há nada planeado: “Queremos que este seja um festival forte neste local, mas, se correr bem, não fechamos as portas a essa possibilidade."

Texto editado por Inês Nadais