A comunidade estrangeira está a mudar o paladar das crianças em Monchique

Na terra dos presuntos e dos enchidos, entrou na moda a comida vegetariana nas ementas escolares. Em Monchique, onde os estrangeiros residentes representam 20% da população, em vez do “Bacalhau à Brás” há já quem prefira o “Brás com grelos”.

Foto
Nelson Garrido

Na cantina, a pequena Lia, de seis anos, senta-se diante do prato de peixe, à hora do almoço. A falta de apetite não faz parte da ementa. A criança, hesitante, fica com o garfo suspenso: “Está a ver, primeiro, come o tomate”, observa Ana Silva, coordenadora do gabinete municipal de higiene e segurança alimentar. Afinal, a criança só estava em dúvida sobre qual dos ingredientes gostava mais. Neste concelho do interior algarvio — com fama de ter bom pão com chouriço —, está em marcha uma “revolução tranquila” nos hábitos alimentares. Depois de aprenderem a gostar de sopa, os alunos foram convidados a aderir à moda vegan.

Ao programa de combate à obesidade infantil que a Administração Regional de Saúde (ARS) está a levar a cabo desde o ano lectivo de 2004/05, o município de Monchique acrescentou mais uma novidade. “Estamos a fomentar a dieta vegetariana nas escolas, duas vezes por mês”. A ideia, admite o presidente da câmara, Rui André, surgiu por influência da comunidade de estrangeiros residentes, que representa cerca de 20% da população do concelho.

“Muitos pais [estrangeiros] são vegetarianos e os filhos, na escola, eram olhados de lado pelos colegas porque não tocavam na carne nem no peixe”. O passo seguinte foi fomentar a aproximação entre culturas, de latitudes e origens diferentes, começando pela partilha dos sabores. Assim, o tradicional prato de arroz com feijão e carne de porco — característico da zona serrana algarvia — também passou a ser apreciado pelos vegetarianos, desde que a proteína animal fique de fora. Agora, Lia convive lado a lado com os meninos, louros de olhos azuis, que não gostam de carne nem de peixe, e também ela começou a comer o tomate antes do salmão e a sopa de caldo verde é saboreada até à última colherada. “Uma alimentação excelente”, conclui a nutricionista Ana Carvalho, referindo-se à diversidade e riqueza dos produtos.

O apetite de Maria João pela couve roxa sobrepõe-se ao vermelho do tomate. Gostas da comida? “Sim, é boa”, diz. No fim, o prato fica limpo. Sofia, a colega, preferiu começar o almoço pela posta do salmão, servido sem espinhas. “Por vezes, as crianças dizem que não gostam de peixe porque tiveram uma má experiência com as espinhas”, explica Ana Silva, acrescentando que, neste caso, isso não é problema. “As auxiliares tiram as espinhas e comem com as crianças”, justifica.

Rui André enfatiza: “Vou lá muitas vezes comer”. O ambiente é familiar, com os técnicos superiores e auxiliares a serem tratados pelo próprio nome sem prefixos académicos. “Sabe, o presidente da Câmara, antes de ser autarca, foi professor”, explicam os funcionários, a justificar o empenho municipal no projecto. Por sua vez, o autarca comenta: “Não sei se haverá muitas câmaras no país que tenham uma nutricionista só para dar apoio às escolas”.

A ARS-Algarve tem seis nutricionistas para cobrir todo o distrito, cuja população ultrapassa os 400 mil habitantes. “Um número nada famoso”, comenta Teresa Sancho, nutricionista da instituição. A Ordem dos Nutricionistas defende um rácio de um profissional para cada 20 mil habitantes. “Mas o Alentejo está ainda pior”, sublinha a médica, adiantando que as regiões autónomas da Madeira e dos Açores, nos últimos anos, foram quem mais investiu nas medidas de prevenção contra a obesidade: “Em cada centro de saúde há um nutricionista”, justifica.

Do conjunto dos pratos tradicionais, o grão com massa é um dos mais apreciados nas ementas escolares. “As crianças adoram”, diz a responsável autárquica pelo gabinete de salubridade. Se ficar só por estes ingredientes, explica Ana Silva, é considerado um prato vegetariano. “Mas também pode levar uma rodelinha de chouriço, que lhe dá um gosto espectacular”, acrescenta. E, assim, sem carregar muito na gordura, as cozinheiras alargaram o leque dos apreciadores da comida caseira, com uma pitada de tradição. Por outro lado, nos restaurantes, os pratos foram-se adaptando ao gosto dos clientes. Assim, em vez do “Bacalhau à Brás”, foi criado o “Brás de legumes”, para os vegetarianos. Mas, para ter mais proteína, nas cantinas escolares, a nutricionista incluiu a soja.

Na ementa turística há um prato que não falta — “Cozido à Monchique”, semelhante ao Cozido à Portuguesa, mas com couve branca. O prato, muito rico em calorias, tem uma diferença substancial em relação ao que era noutras épocas. Rui André recorda que, no tempo dos seus avós, “predominavam os ossos salgados, a carne era só para dar gosto”. 

Sumo de laranja sem êxito

A introdução do sumo natural de laranja nas escolas foi uma das medidas que teve eco na região, mas não o êxito esperado. A ideia foi levada à prática há cerca de 20 anos, pelo então director regional de agricultura do Algarve, Miguel Freitas, na tentativa de aumentar o mercado dos consumidores e estimular hábitos alimentares saudáveis. Pelas escolas da região foram distribuídas 60 máquinas de fazer sumo. Um copo custava 20 cêntimos. “Não sei como aquilo morreu, mas enquanto esteve de pé foi muito interessante”, recorda Teresa Sancho, que participou na iniciativa, em representação da ARS.

Na altura, evoca Miguel Freitas, “enterravam-se toneladas de laranja a troco de subsídios à produção”. O envolvimento da Direcção Regional de Educação e das organizações de produtores, justifica, visava garantir a articulação dos diferentes actores no processo para evitar o desperdício e garantir um preço mínimo aos agricultores.

O projecto falhou. “O pessoal que trabalhava nas escolas queixava-se que dava muito trabalho limpar as máquinas”, recorda o presidente da Cooperativa de Citricultores do Algarve (Cacial), Martins Oliveira: “Foi mais uma boa iniciativa que se perdeu”, lamenta. Mudaram, entretanto, as políticas e as leis da concorrência a nível europeu, mas o problema mantêm-se. A fruta miúda não tem preço. As clementinas, de tamanho inferior ao normal, exemplifica, são pagas pela indústria a um cêntimo o quilo, quando a apanha custa nove cêntimos. “Preferimos oferecer ao Banco Alimentar”, enfatiza, enumerando as “incompreensíveis” regras dos mercados.

Martins Oliveira lembra ainda que foi montada a logística para fornecer as todas as escolas da região sumo fresco com qualidade. “Vendiam-se não mais do que duas ou três caixas de laranjas por semana nas escolas de Faro e Loulé”. O investimento na captação de novos consumidores não resultou. As bebidas açucaradas, por força da publicidade, conquistaram a juventude. Apesar de tudo, Teresa Sancho mostra-se optimista. “A minha percepção diz-me que, a haver uma nova oferta desse género, teria uma boa adesão — assim haja vontade política”.

A nutricionista, com prática profissional de 25 anos, acha que “mudou muito a sensibilidade dos mais jovens para as questões da saúde”. Nesta altura, a ARS vai voltar a proceder a uma avaliação das ementas de todas as escolas da região, seguindo os parâmetros europeus. O último trabalho com esta dimensão foi realizado há cinco anos, quando foram analisadas 15 mil ementas. Entre 2005 e 2010, segundo a ARS, registou-se uma melhoria de 60% na qualidade das ementas das escolas públicas.

O presidente da Câmara de Castro Marim, Francisco Amaral (que já foi presidente do município de Alcoutim), recorda um outro obstáculo no que diz respeito à introdução de produtos locais nas cantinas escolares. “Os agricultores, mesmo aqueles que produzem meia dúzia de caixas de laranjas, têm de estar certificados para aderir ao projecto”. Ora, num concelho envelhecido, com uma agricultura de subsistência, o autarca, médico de profissão, decidiu aplicar as regras, mas com base na sustentabilidade económica. “A câmara prescindiu do subsídio de apoio ao consumo da fruta, assumindo o custo total para continuar a comprar aos agricultores do concelho”.