Opinião

Tendências de e-commerce para 2016

2016 será também o ano em que o offline e o online vão estar cada vez mais ligados.

O mundo do e-commerce está em constante atualização, e o que é tendência em janeiro em dezembro já está ultrapassado, tornando-se quase impossível prever o que podemos esperar desta área no final deste ano.

Além do fator temporal, outros fatores que influenciam as tendências são o tipo de consumidor, o comportamento do consumidor e o mercado em que nos encontramos. Se é verdade que há tendências globais que vieram para ficar como a interação das marcas com os consumidores através das redes sociais, também há tendências que não resultam imediatamente em todos os mercados devido às suas especificidades. Exemplo disso são as apps dos sites de e-commerce - nos Estados Unidos as pessoas realizam a maioria das compras através da app, enquanto no mercado português as pessoas preferem recorrer aos sites mobile. No nosso caso, esperamos que até ao final do ano as vendas através do mobile aumentem até final de 2016 cerca de 50%, relativamente a 2015.

Além dos sites mobile, que acredito que este ano vão aumentar a sua conversão, há outras tendências que são inegáveis. Omnicalidade é um conceito que andamos a falar cada vez mais, mas 2016 será o seu ano de afirmação. Com a visão Omnicanal surgiu para as empresas um grande desafio, no sentido em que tentamos que a experiência do consumidor se torne a melhor possível, qualquer que seja a plataforma que os consumidores estejam a utilizar para contatar com a marca (online, mobile, loja física, etc). Assim é necessário garantirmos uma estratégia que aglomere todos estes touchpoints com os clientes garantindo uma uniformização da comunicação e potenciando as especificidades de cada touchpoint.

Em relação às redes sociais, a última grande tendência é que estar presente e publicar conteúdos não é suficiente. O e-commerce assume um papel cada vez maior nas redes sociais, com o Facebook, Twitter e Pinterest a criarem botões especiais para as marcas incluírem nos seus perfis a opção de compra direta. O Facebook já anunciou também que em 2016 as marcas vão começar a aproveitar o Messenger para falar de forma personalizada com os seus clientes.

2016 será também o ano em que o offline e o online vão estar cada vez mais ligados. Já assistimos a um pequeno número de empresas que através de telemóvel disponibilizam oportunidades de negócio online quando as pessoas entram nas suas lojas, e esta será uma tendência global em 2016.

Em termos de design, as imagens nos sites de e-commerce serão cada vez maiores, pois o lado aspiracional que a imagem transmite impulsiona as vendas. Vai ainda haver uma grande aposta em termos de vídeos explicativos dos produtos.

Outro campo em que o ecommerce irá dar um salto em termos de qualidade, será em tornar o content marketing mais eficaz dentro da estratégia da empresa. 76% dos profissionais refere que já utiliza content marketing, mas apenas 37% refere que que tem a melhor estratégia. Os consumidores dos dias de hoje estão mais atentos ao que as marcas publicam nas suas redes sociais e sites, e só prestam atenção ao que realmente lhes interessa. É necessário que as marcas conheçam o seu público e criem conteúdos relevantes para a efetivação da sua estratégia. Aliada à estratégia, conteúdos pertinentes de serem lidos, comentados e partilhados.

O mundo do e-commerce está em constante mudança, e o mais importante é estarmos constantemente atualizados e personalizarmos ao máximo a experiência de cada cliente. Esta será sem dúvida a grande tendência, não de 2016 mas dos próximos anos. Um cliente de Lisboa, que adore sushi, cinema e livros, ao entrar no site deve ver primeiro os produtos que vão ao encontro das suas preferências. E quando receber uma newsletter, esta deve incluir os seus produtos preferidos. Este é um desafio muito interessante para 2016 e para o qual será interessante olharmos em dezembro e vermos em que ponto está o mercado. É impossível dizermos que estas vão ser as áreas com o maior boom em termos de inovação, pois amanhã pode surgir algo que ninguém está à espera, mas são certamente áreas que terão um importante papel no crescimento do e-commerce.

Administrador do Grupo Odisseias