A Arábia Saudita contra todos

Os preços do petróleo descem porque há oferta a mais. Os sauditas desafiam quem ameaça tirar-lhes mercado Os mais fracos vão ficar pelo caminho.

Foto

Uma guerra de preços entre xeques sauditas e cowboys americanos está a deixar o mundo afogado em petróleo - todos os dias chegam aos mercados internacionais 1,5 milhões de barris de petróleo acima da procura. Mas a Arábia Saudita, que vende um em cada nove barris de petróleo que chegam ao mercado mundial, recusa-se a diminuir a sua produção. Faz a aposta arriscada de que o seu peso será suficiente para pôr fora de jogo os produtores de petróleo de xisto americanos, que contribuíram fortemente para a actual superabundância de petróleo. E defende a sua posição quando se reabrem as portas para o Irão, o arqui-rival dos sauditas.

Há uma nova ordem mundial do petróleo, desencadeada pela revolução da exploração petrolífera das rochas de xisto betuminoso no Estados Unidos e no Canadá na última década, defendeu num artigo de opinião no Financial Times o responsável pelo sector de investigação sobre matérias-primas do Citi Group, Ed Morse. “Os EUA são agora o maior produtor de hidrocarbonetos líquidos do mundo, contando com crude e outros produtos como gases de petróleo liquefeitos e biocombustíveis.” O que não impede os EUA de importarem também crude.

“No papel, os EUA podem produzir 9,3 milhões de barris por dia, contra 11,1 milhões da Rússia e 10,3 milhões da Arábia Saudita. Mas se juntarmos tudo o que parece e cheira e é usado como petróleo, os EUA são os maiores produtores: 14,8 milhões de barris, face aos 11,7 milhões sauditas e 11,5 milhões russos”, contabiliza o analista.

Muitas empresas americanas tiveram lucros recorde nos últimos anos, no “boom” que deu os primeiros passos a partir de 2008 - ironicamente, desde que o preço do petróleo ficou tão alto, acima de 100 dólares, que se tornou lucrativo apostar na extracção de hidrocarbonetos de fontes não convencionais, tecnologicamente mais difíceis e caras.

Mas os EUA não têm passado por esta disputa incólumes. A descida de preços de petróleo a partir de meados de 2014 é da ordem dos 70% e levou ao abandono de cerca de metade dos poços de extracção nas rochas de xisto e, segundo o New York Times, 250 mil pessoas terão ficado desempregadas.

A Arábia Saudita está a apostar na sua posição de exportador dominante para tentar fazer subir os preços - uma vez que os EUA estavam proibidos de exportar petróleo, para assegurar a sua segurança energética, devido a uma lei herdada da crise petrolífera da década de 1970. Mas essa proibição foi levantada em Dezembro passado e os primeiros navios petroleiros norte-americanos já chegaram à Europa com petróleo de xisto.

Quanto aos sauditas, estão dispostos a perder dinheiro agora, para garantir a sua quota de mercado futura, sentindo-se seguros com as suas reservas financeiras no valor de 630 mil milhões de dólares. Mas estão a gastá-las ao ritmo de 5000 a 6000 milhões de dólares mensais, estimou para o New York Times Rachel Ziemba, analista da Roubini Global Economics. Pela primeira vez, o reino impôs um Orçamento de austeridade.

“Se os preços continuarem baixos, nós seremos capazes de os suportar durante muito, muito tempo”, assegurou Khalid al-Falih, director da Aramco, a petrolífera estatal saudita, no Fórum Económico Mundial de Davos, na Suíça. A ameaça, latente, é que os outros não conseguirão fazer o mesmo.

Pânico em Caracas
E há muitos “outros”. Um deles é a Venezuela, que é membro da Organização dos Países Produtores de Petróleo (OPEP), mas não faz parte do grupo de aliados sauditas, como o Kuwait, os Emirados Árabes Unidos e o Qatar. Caracas insiste na necessidade de uma reunião urgente da OPEP - que os sauditas dominam - e em cortar a produção petrolífera para travar a descida dos preços que fez com que a sua economia descesse vários níveis nos círculos do inferno.

Desde 2014 que o regime de Nicolás Maduro não publicava números oficiais mas, ao mesmo tempo que tentou decretar estado de emergência económico - o que foi rejeitado pelo Parlamento, dominado pela oposição desde as eleições de Dezembro - o Governo divulgou dados assustadores. No último trimestre de 2015, a economia venezuelana contraiu-se 7,1% e está a contrair-se há sete trimestres consecutivos, desde o início de 2014. A inflação chegou a 141% no ano passado e deve chegar este ano a 204%. Mas os números do Fundo Monetário Internacional são muito mais impressionantes: estima que a inflação real terá sido de 275%, a mais alta do mundo, e que em 2016 pode chegar a 720%.

Claro que a queda do preço do petróleo não pode ser culpada por tudo isto. Mas veio agravar a situação na Venezuela, porque incrivelmente, o país que se gaba de ter as maiores reservas conhecidas, terá pouco crude para vender, em termos reais. Muito por causa dos empréstimos que contraiu com a China - pagos em fornecimentos de petróleo, que serão maiores se o crude valer menos, escreve Paul Coyer na revista Forbes. Até 2015, a China terá emprestado pelo menos 60 mil milhões de dólares ao regime chavista.

A contracção da economia chinesa é outro factor que fez com que o petróleo - e outros recursos naturais - perdessem valor. Vários países, em África e na América do Sul, que são essencialmente exportadores de recursos naturais, e criaram uma forte relação de dependência com a China - e com preços de petróleo altos - vêem-se agora em apuros.

Veja-se a Petrobras, no Brasil, que está a prever que a maioria dos seus 300 poços de petróleo não dêem lucro. Enfim, destes 300, apenas 82 são realmente produtores importantes e apenas 20 são responsáveis por 90% do rendimento da petrolífera estatal brasileira. Mas para darem lucro, é preciso que o preço do petróleo ronde, pelo menos, 35 a 40 dólares. Se não, 65 desses poços acabam por não render, dizem a Folha de São Paulo e a revista Forbes. Com preços a 30 dólares ou até abaixo disso, não dão rendimento.

Em Angola, o segundo maior produtor de petróleo africano - onde a presença chinesa tem sido importante - o Governo reconheceu ter perdido uma receita de 5100 milhões de euros no último ano devido à queda do preço do petróleo, e ter sido obrigado a uma desvalorização da moeda de 32% face ao dólar norte-americano. Os efeitos fazem-se sentir de múltiplas formas:  os médicos cubanos que formam a “coluna vertebral do sistema de saúde foram deixados sem salário durante meses”, escreveu na revista Foreign Affairs o professor de Política Africana da Universidade de Oxford, Ricardo Soares de Oliveira.

Angola eliminou os subsídios ao combustível, o que fez com que o preço da gasolina aumentasse 39% no início do ano (para 1,19 euros por litro) e o gasóleo 80% (cerca de 1 euro). “O resultado é que a insatisfação de muitos angolanos tornou-se visível. O MPLA gostava de mostrar um rosto mais tecnocrático nos últimos anos, mas agora responde aumentando a repressão”, explicou Ricardo Soares de Oliveira.

OPEP não basta
A OPEP não basta como palco para resolver a guerra de preços e de sobreprodução que está a ameaçar a economia e o equilíbrio político de vários países. No entanto, a Rússia manifestou vontade de discutir com a OPEP eventuais cortes na produção. Até agora, tem estado a arrancar petróleo da terra a todo o vapor - para tentar compensar os efeitos das sanções europeias e americanas, por causa da guerra na Ucrânia, e da queda do rublo, que estão a deixar a economia à beira de um verdadeiro ataque de nervos.

Irão e Arábia Saudita, ambos membros da OPEP, são potências regionais rivais, Estados religiosos representantes de facções opostas do Islão (um é xiita e a outra é sunita) e apoiam lados opostos na guerra na Síria. O regresso do Iraão aos mercados internacionais, depois de terem sido levantadas as sanções impostas em 2011 por causa do nuclear, é outro factor que motiva os sauditas a fazer dobrar o mercado à sua vontade.

Teerão está a tentar restabelecer contactos com os seus clientes tradicionais - muitos deles grandes petrolíferas europeias. A primeira venda de petróleo já feita pós-sanções foi à grega Hellenic Petroleum. Na ronda pela Europa que o Presidente Hassan Rohani está a fazer esta semana assinou já um contrato com a Total francesa, para fornecer 150 mil a 200 mil barris de petróleo por dia.

Teerão quer recuperar o tempo perdido, e tem 22 superpetroleiros (com capacidade de carregar o equivalente a dois milhões de barris de crude) completamente carregados ou perto disso, à espera de ordem de marcha se tiverem compradores. Fora isso, diz que para começar está pronto a exportar outros 500 mil barris por dia e lá para o fim do ano chegar ao milhão, para satisfazer os novos clientes. Actualmente, a produção petrolífera iraniana ronda os 2,9 milhões de barris diários, segundo números do New York Times, a maior parte dos quais vendidos a clientes na Ásia.

A China é um dos seus clientes, que se manteve durante as sanções. Na verdade, a China importa 52% do seu petróleo do Médio Oriente, e está a envolver-se cada vez mais nesta zona - tentando manter-se equidistante nos conflitos que tornam esta a zona mais explosiva do globo. Numa viagem este mês à região, em que foi à Arábia Saudita e outros países sunitas, o Presidente chinês arranjou maneira de parar também em Teerão - tornando-se no primeiro líder estrangeiro a visitar o país após o levantamento das sanções.

PÚBLICO -
Foto

Mar do Norte agitado
Ninguém está a dormir descansado, seja onde for. Na era do petróleo barato, um barril de Brent - o crude do Mar do Norte - na Noruega custa menos que um salmão de 4,5 quilos, diz a Bloomberg.

A descida do preço do barril de petróleo para preços abaixo dos 30 dólares arrastou consigo as moedas de países cuja economia depende da exportação de petróleo - desde a Noruega, onde a coroa se desvalorizou cerca de 13% no último ano em relação ao euro - ao Azerbaijão, cujas exportações são compostas em 95% por petróleo e gás natural e que esta semana pediu ajuda ao Fundo Monetário Internacional.

Na Noruega, as receitas obtidas com o petróleo vão para um fundo soberano de 800 mil milhões de dólares e responsável por investimentos em várias áreas. Mas estima-se que 50 mil pessoas caíram já no desemprego devido à queda dos preços do petróleo.

Na Escócia, do outro lado do Mar do Norte, o número de desempregados relacionados com as quebras na indústria petrolífera atinge já 65 mil. Muitos concentram-se na cidade de Aberdeen, onde esta semana o Governo britânico e o governo escocês lançaram um plano conjunto de revitalização, no valor de 250 milhões de libras.

Notícia corrigida às 13h10: a primeira versão deste artigo dizia que a Arábia Saudita vende nove em cada dez barris que chegam ao mercado mundial, quando a proporção correcta é um barril em cada nove.

PÚBLICO -
Foto