MAS pede candidatura conjunta a Sampaio da Nóvoa, Marisa Matias e Edgar Silva

O Movimento Alternativa Socialista quer evitar a mesma “divisão de esquerda que permitiu que Cavaco ganhasse à primeira volta em 2006” e que agora “se arrisca a entregar a presidência a Marcelo”.

Foto
Gil Garcia quer ver Marisa Matias, Sampaio da Nóvoa e Edgar Silva num "grande encontro das esquerdas". Enric Vives-Rubio

“Por um candidato presidencial único à esquerda” é o título da carta aberta escrita pelo MAS e dirigida a “três candidatos à esquerda”, Sampaio da Nóvoa, Marisa Matias e Edgar Silva. O partido liderado por Gil Garcia acredita que só “uma candidatura unitária e mobilizadora à esquerda pode arrancar votos à abstenção e ao centro-esquerda e derrotar Marcelo”.

O MAS tem um objectivo concreto para as presidenciais de 2016: ajudar a derrotar o candidato de direita apoiado pelo PSD, Marcelo Rebelo de Sousa, e eleger um Presidente que “não fique refém de quem tem governado o país”, ou seja, “a direita e o PS”.

Para isso, Portugal precisa uma “candidatura única à esquerda”, diz o MAS, rejeitando as teorias de que “vários candidatos à esquerda serão mais mobilizadores e obrigarão Marcelo a ir a uma segunda volta”. O partido de Gil Garcia lembra as eleições de 2006 ganhas por Cavaco Silva à primeira volta e culpa a mesma “divisão de esquerda” que agora separa as candidaturas de Nóvoa, Matias e Silva e que estará a “entregar a presidência a Marcelo Rebelo de Sousa” no próximo ano.

O MAS deixa ainda críticas ao executivo PS, que “não dá garantias” de um governo de esquerda que “devolva o que foi roubado”. Por isso, deixa linhas orientadoras e “bandeiras mínimas” aos candidatos que apoia: afirmar a soberania do país, mesmo que contra “Merkel ou (…) o Tratado Orçamental”, reverter privatizações “como a da TAP”, aumentar de imediato o salário mínimo para 600 euros e repor os salários da Função Pública.

“Apelamos aos únicos candidatos que podem dar corpo a este desafio - Sampaio da Nóvoa, Marisa Matias e Edgar Silva - que cheguem a acordo para convocar um grande encontro das esquerdas para tomar esta decisão”, conclui o documento do MAS. Notícia editada por Leonete Botelho