O Porto aplaudiu o seu vereador da Cultura até ao fim

O funeral de Paulo Cunha e Silva reuniu uma massa impressionante de pessoas, que acompanhou o cortejo fúnebre entre o Teatro Municipal Rivoli e a igreja da Lapa.

Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda

O Paulo morreu. O Paulo não morreu. E não morreu porque “legados como o seu não morrem”. As palavras do presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, ecoaram na igreja da Lapa, onde na tarde desta quinta-feira a cidade se despediu, pela última vez, do vereador da Cultura, Paulo Cunha e Silva. Ao mesmo tempo, com a voz embargada a recuperar firmeza a cada frase, Rui Moreira prometeu que o trabalho desenvolvido por Cunha e Silva terá continuidade. “A única forma de o homenagearmos e de dizermos alto e bom som a quem nos ouve, a quem nos vê e a quem nos lê, que há homens insubstituíveis, é garantirmos que as flores que ele plantou não irão murchar”, disse, recebendo da igreja a abarrotar um enorme aplauso.

Mas, este esteve longe de ser o único aplauso na despedida de Paulo e Cunha Silva, vítima, na madrugada de quarta-feira, aos 53 anos, de um enfarte agudo do miocárdio. As palmas começaram ainda no Teatro Municipal Rivoli, onde o corpo do vereador esteve, desde as 17h de quarta-feira, até às 14h desta quinta-feira, e onde muitos depositaram flores e despedidas. Com a plateia do Auditório Manoel de Oliveira cheia de muitos anónimos e caras conhecidas da cultura, da política, do mundo académico, do jornalismo e do desporto, Pedro Abrunhosa tomou conta do piano instalado num canto do mesmo palco onde estava a urna de Paulo Cunha e Silva e com uma voz que só perdeu o tremor depois dos primeiros versos, cantou “Ilumina-me” e “Eu nem sei quem te perdeu”, antes de se despedir, com um “Obrigado, Paulo, até sempre”.

Aqui, ainda não houve palmas. A plateia ouviu em silêncio o cantor, a interpretação ao piano de Álvaro Teixeira Lopes, de várias peças de Mozart e Bach, e ouviu ainda o presidente da Assembleia Municipal do Porto, Miguel Pereira Leite, declamar a versão portuguesa de Funeral Blues, de W.H. Auden, antes de se pôr de pé e oferecer um longo aplauso ao silêncio.

As palmas regressaram quando o corpo de Paulo Cunha e Silva deixou o teatro que devolveu à cidade e fizeram-se ouvir, amiúde, ao longo do cortejo a pé de uma multidão impressionante que acompanhou o funeral até à igreja. À passagem pelo edifício da Câmara do Porto, e com as ruas da cidade estranhamente silenciosas, o aplauso global de todos os que participaram no cortejo ocupou todo o espaço, como se fosse o próprio edifício que, do seu interior, aplaudia o vereador.

Rui Moreira seguiu a pé, acompanhado pela ministra da Cultura, Teresa Morais, enquanto o líder do PS, António Costa – que terá admitido, segundo o Jornal de Notícias, aquilo que há muito se dizia, que Cunha e Silva seria uma “forte possibilidade para ministro da Cultura" – seguia mais atrás. O ministro da Defesa, José Pedro Aguiar-Branco, associou-se à despedida na igreja, numa cerimónia presidida pelo bispo do Porto, D. António Francisco dos Santos, e em que este salientou “o desígnio de missão [de Paulo Cunha e Silva] para bem de todos os portuenses”. “Vemos todo o amplo caminho que nos abriu, para devolver a Cultura à cidade e fazer do Porto uma cidade feliz”, disse o bispo, defendendo ainda que “o legado humano e o património cultural do professor doutor Paulo Cunha e Silva são agora confiados à cidade e ao país”.

Rui Moreira falou quase no final da cerimónia, depois de uma sobrinha, um amigo e o companheiro de Paulo Cunha e Silva o terem também lembrado e, de novo, a memória do vereador foi saudada com um grande aplauso, que acompanharia a saída da urna para o crematório da Lapa. O presidente da câmara referira-se ao seu vereador como “um génio bom e generoso” e reafirmou o compromisso que, diz, tinha firmado com Paulo Cunha e Silva, em várias conversas, ao longo de 25 anos de amizade: “Acreditamos então e acreditamos agora que a Cultura não é um luxo, não é um bem efémero e leviano que se propague naturalmente e que só é importante em tempos de abastança. Aqui e hoje reafirmo o nosso compromisso para com esta cidade que tanto amámos e amamos: a Cultura não é um luxo, não é um bem efémero e leviano. Não é. É, isso sim, um dos pilares fundamentais da cidade.”

A ouvi-lo estava toda a equipa de Paulo Cunha e Silva na câmara, que agora irá trabalhar directamente com Rui Moreira, depois de este ter assumido o pelouro da Cultura, nomeando Guilherme Blanc, o braço-direito de Cunha e Silva, como seu adjunto. Mas estavam também, além dos ministros e de António Costa, o ex-secretário de Estado da Cultura, Barreto Xavier, toda a vereação (com excepção de Manuel Sampaio Pimentel, ausente por morte de um familiar) e vários deputados da assembleia municipal, os presidentes das câmaras de Matosinhos (Guilherme Pinto) e de Vila Nova de Gaia (Eduardo Vítor Rodrigues), o ex-presidente da Câmara do Porto, Nuno Cardoso, o reitor da Universidade do Porto (Sebastião Feyo de Azevedo), a antiga directora da Direcção Regional de Cultura do Norte, Paula Silva, o bloquista João Semedo, o escritor Gonçalo M. Tavares, o músico Miguel Guedes, o actor Óscar Branco, a empresária Catarina Portas, a maratonista Rosa Mota ou o médico-legista José Eduardo Pinto da Costa, entre muitos outros. O vice-primeiro-ministro Paulo Portas tinha passado pelo Rivoli na noite anterior.

O Paulo morreu. O Paulo não morreu. Um novo vereador, Manuel Aranha, entrará para o executivo da Câmara do Porto e receberá pelouros, mas não o da Cultura. A estreia do espectáculo Ícones do Desporto, que devia acontecer esta sexta-feira no Rivoli, foi adiada por um dia. É só um soluço, garantiram as palavras de Rui Moreira. A Cultura na cidade segue dentro de momentos.