Taxistas ameaçam com novos protestos caso a Uber não acabe

Centenas de carros desfilaram em Lisboa, Porto e Faro numa longa marcha lenta que lançou o caos no trânsito. Em Lisboa houve agressões a quem não aderiu. Na loja portuguesa de aplicações da Apple, a aplicação da Uber subiu ao primeiro lugar na lista das mais populares.

Fotogaleria
Os taxistas acusam a Uber de concorrência desleal Diogo Baptista
Fotogaleria
No protesto do Porto participam mais de 800 carros Diogo Baptista
Fotogaleria
Em Lisboa também é grande a mobilização Bruno Lisita
Fotogaleria
Aos taxistas que furaram o protesto foram atirados ovos Bruno Lisita
Fotogaleria
Bruno Lisita
Fotogaleria
Bruno Lisita
Fotogaleria
Bruno Lisita
Fotogaleria
Bruno Lisita
Fotogaleria
Bruno Lisita
Fotogaleria
Bruno Lisita
Fotogaleria
Bruno Lisita
Fotogaleria
Bruno Lisita
Fotogaleria
Bruno Lisita
Fotogaleria
Bruno Lisita

Vieram de todo o lado. Porto, Matosinhos, Gaia, Valongo, Braga, Santo Tirso, Viana do Castelo, Valença, Santa Maria da Feira. Foram mais de 800 os táxis que circularam na manhã e tarde desta terça-feira nas principais ruas e avenidas da cidade do Porto — auto-estradas incluídas — para sensibilizar a população para uma luta que, diz José Monteiro, vice-presidente da Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL), é de toda a justiça: “Só queremos que se cumpra a lei”.

Em Lisboa terão sido perto de 3000, segundo a principal associação de taxistas do país, com o protesto a terminar pelas 16h30 depois de os representantes da ANTRAL se terem reunido com a ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz.

Dirigindo-se aos taxistas no Terreiro do Paço, o líder da ANTRAL, Florêncio de Almeida, manifestou-se satisfeito com o encontro, mas avisou que, se as coisas não forem resolvidas a favor do sector do táxi, haverá novos protestos.

Florêncio de Almeida diz que a contestação dos taxistas “nada tem a ver com a campanha eleitoral” mas, caso a Uber não acabe, vão surgir protestos durante a campanha para legislativas de 4 de Outubro.

As manifestações desta terça-feira em Lisboa, Porto e Faro e a marcha lenta de centenas de veículos lançaram o caos no trânsito à medida que o cortejo de táxis ia passando pelas cidades. A situação não era melhor nos aeroportos de Lisboa e Porto, onde os turistas se foram acumulando desde a manhã sem táxis que os levassem aos locais de destino.

Ao contrário do que se passou em França, onde as manifestações contra a Uber degeneraram em violência, os protestos desta terça-feira em Portugal decorreram quase sem incidentes. Apenas na capital se registaram pequenas escaramuças, com agressões a taxistas que não aderiram ao protesto e o arremesso de ovos aos carros dos profissionais que não se manifestaram.

A adesão no Porto “foi muito elevada”, como vaticinou o vice-presidente da ANTRAL, ainda antes do primeiro carro, o dele, sair escoltado pela Divisão de Transito da PSP (que mobilizou para esta operação praticamente todo o seu dispositivo) da Praça Gonçalves Zarco para começar a subir a Avenida da Boavista. “Tanto os patrões de táxi como os funcionários sabem que esta luta é justa”, disse José Monteiro.

O primeiro carro saiu às 9h20. O graduado da PSP da Divisão da Trânsito, que tinha como função fechar a coluna, começou a subir a Avenida da Boavista já passava das 9h45. Foram 20 minutos de buzinões e o troço norte da Avenida da Boavista a encher-se nas duas faixas, rumo ao centro da cidade.

A expectativa era não criar confusões. “Não somos arruaceiros”, dizia Aníbal Dias. “Viemos lutar pelo que é nosso”, resumia João Polónia, motorista de táxi “desde 1969”.

O percurso previsto, com início na Avenida da Boavista, passagem na Avenida dos Aliados e no Aeroporto Francisco Sá Carneiro e fim na Praça Gonçalves Zarco, tomou toda a manhã desta terça-feira. Um forte dispositivo policial foi mobilizado para acompanhar o cortejo de protesto dos taxistas. Para além da Divisão de Trânsito da PSP e da Brigada de Trânsito da GNR (que acompanhou o percurso nas auto-estradas A4, A28 e VRI), também o corpo de intervenção da PSP mobilizou várias unidades móveis. O aeroporto do Porto foi um dos locais onde foi montado um forte dispositivo de agentes em prevenção.

Ovos contra taxistas em Lisboa

Em Lisboa, o presidente da ANTRAL, Florêncio de Almeida, apelou a um protesto pacífico, referindo ao PÚBLICO que os taxistas iriam “dar uma lição de moral aos profetas que disseram” que a classe é “violenta”. Aos manifestantes, através de um megafone, o dirigente pediu “que a manifestação decorra de uma forma ordeira e pacífica”. No protesto em Lisboa terão participado perto de três mil profissionais, estima a ANTRAL.

A marcha começou na zona Norte do Parque das Nações, às 8h em ponto, e chegou por volta das 10h à Portela. Cerca das 12h30 o desfile seguia pela Avenida da República, com muitos buzinões mas tudo a decorrer de forma ordeira. Após uma passagem pelo Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT), na Avenida das Forças Armadas, os taxistas rumaram depois ao Ministério da Justiça, no Terreiro do Paço. Questionados sobre o que poderá acontecer se o Governo alterar a lei a favor da Uber, os profissionais respondiam de forma peremptória: “Se o Governo mudar a lei vai haver mortos”, atirou um taxista apoiado por vários outros.

José Augusto Brandão, 44 anos e 25 ao volante de um táxi, conta ao que veio: “Esta manifestação é para contestar as medidas que o Governo não tomou. Há problemas nos transportes em geral, mas este é muito grave para o sector”, dizia o taxista junto a um cartaz onde se lia “Contra o transporte à margem da lei e por uma concorrência justa”. Zico Lampreia, 32 anos de idade e seis de táxi, concordava: “Queremos parar a cidade. Isto está acabar com o nosso negócio. É preciso as pessoas saberem o que se passa”.

Já no Terreiro do Paço, os representantes da ANTRAL recusaram ser recebidos pelo chefe de gabinete do Ministério da Economia e esperavam às primeiras horas da tarde chegar ao contacto directo com a ministra da Justiça, a quem pretendiam entregar um dossier com todo o processo na justiça contra a Uber. O presidente da associação disse logo nessa altura ao PÚBLICO que a manifestação fora um sucesso e tinha cumprido o seu objectivo.

Os serviços UberX e UberBlack, pedidos através de uma aplicação móvel que estabelece ligação entre o cliente e um motorista privado ou ao serviço de empresas parceiras da Uber, opera em Lisboa há um ano e há nove meses no Porto. Numa reacção que não é exclusiva a Portugal, a empresa criada nos Estados Unidos e com actividade em mais de 70 países tem enfrentado processos judiciais que contestam a forma como desenvolve a sua actividade.

Uber responde na Internet

Os taxistas de Faro também se manifestaram nesta terça-feira, num protesto que visava alertar a opinião pública para estas questões. Nas últimas semanas, têm-se registado casos de insultos de taxistas a motoristas que transportam passageiros que usaram a aplicação móvel.

No mesmo dia em que os taxistas portugueses se manifestaram a Uber lançou o #WHYIUBER, um projecto em formato vídeo onde utilizadores e motoristas podem partilhar as suas experiências de utilização da plataforma móvel. Segundo a empresa, foram recolhidos até agora mais de 700 testemunhos, muitos dos quais estão reunidos numa série de vídeos que também já estão disponíveis no YouTube.

A empresa enviou também um e-mail a todos os seus utilizadores em Portugal alertando-os para o acréscimo de pedidos de viagens com a Uber neste dia em que muitos táxis estiveram parados, o que poderia “limitar a disponibilidade de veículos em certos períodos” e “prolongar o tempo de circulação dos veículos nas cidades”.

Na loja portuguesa de aplicações da Apple, a aplicação da Uber subiu esta esta terça-feira ao primeiro lugar na lista das mais populares. Não figura, contudo, na lista das mais populares para telemóveis com Android. A empresa, como habitual, escusou-se a revelar números. "A Uber não desvenda valores e números de utilizadores e carros parceiros por questões concorrenciais", afirmou, em resposta a um pedido do PÚBLICO.