Continentais só estavam à espera das low cost para viajarem até aos Açores

Inquérito mostra que 44% dos portugueses questionados têm planos para visitar o arquipélago nos próximos seis meses. Dormidas nos hotéis cresceram 25% em dois meses com a liberalização das ligações aéreas

Mais de 80% dos turistas só fica hospedado em São Miguel
Foto
Rotas das low cost para São Miguel deram impulso ao turismo. João Silva

A chegada das low cost aos Açores, que ocorreu a 29 de Março, fez disparar em 25% o número de dormidas nos hotéis registado pelo INE entre Abril e Maio. De acordo com os dados divulgados quarta-feira pelo INE, o número chegou aos 124.834 em Maio, o melhor valor registado neste mês desde 2013. Ao mesmo tempo, as dormidas dos turistas nacionais aumentaram 50,6% em Maio face ao período homólogo do ano passado. A julgar por estes resultados, e por outros estudos que já avaliaram o impacto das novas ligações, os turistas do Continente pareciam estar a aguardar pelas companhias low cost para visitarem o arquipélago, que o ano passado representou apenas 2,3% no total das dormidas em Portugal.

Será preciso esperar pelos resultados dos meses de Junho a Setembro para perceber melhor qual o impacto da liberalização do espaço aéreo, já que são as alturas do ano em que a região autónoma recebe mais turistas. Contudo, os números conseguidos em Maio deste ano, já com as low cost a voar, equivalem aos de Junho de 2014, quando arranca a época turística mais forte. E o contributo dos Açores para o total das dormidas nos hotéis nacionais entre Janeiro e Maio aumentou para 2,3%, quando no ano passado na mesma altura representava 1,9%.

A tendência é, por isso, para um aumento cada vez maior de turistas. Um inquérito feito em Junho pelo IPDT, Instituto de Turismo, em parceria com a Secretaria Regional de Turismo e Transportes dos Açores, mostra que 44% dos portugueses tem a intenção de fazer férias no arquipélago nos próximos seis meses. A percentagem sobe para 47% no caso dos estrangeiros questionados, oriundos do Reino Unido, Espanha, França e Alemanha. Para 92% dos visitantes nacionais as ligações aéreas de baixo custo são decisivas na hora de planear a viagem.

Outra análise do IPDT aos turistas que aterraram no aeroporto de Ponta Delgada, em São Miguel, em meados de Maio mostra que 62,3% dos visitantes eram de nacionalidade portuguesa (o inquérito exclui residentes ou passageiros em trânsito). O documento, a que o PÚBLICO teve acesso, refere ainda que 44,5% dos passageiros viajaram através de companhias de aviação low-cost (40,8% dos quais pela Ryanair) e 41,5% em charters. Os portugueses optaram pelas transportadoras aéreas de baixo custo (foi a opção escolhida por 88,7% dos visitantes), enquanto os estrangeiros chegaram à cidade através de voos charters, típicos dos pacotes turísticos. Deste universo, destacam-se os holandeses que representaram 12% do total.

Mais de 78% do total dos visitantes estiveram nos Açores de férias e 11,9% por motivos profissionais. O contacto com a natureza foi o factor fundamental na hora de decidir o destino. Mais de 41% ponderou outras localizações antes de viajar e para 52,9% a existências dos voos low cost foi determinante – esta percentagem é mais vincada entre os portugueses, os que dão mais importância a estas ligações.

O domínio de São Miguel
A quase totalidade dos turistas visita a maior ilha do arquipélago (97,4%), São Miguel, e esta percentagem é ainda mais elevada quando o transporte escolhido é low cost: 99,2% do que visitam Ponta Delgada deslocaram-se nestas companhias aéreas. Em termos globais, 83,6% dos inquiridos só visita São Miguel. Os que saíram da ilha visitaram apenas mais uma ou duas.

A chegada da Ryanair e da EasyJet aos Açores está, para já, centrada nesta localização, mas aguarda-se o arranque da operação para a Terceira. Ainda esta semana o Secretário Regional do Turismo e Transportes, Vítor Fraga, garantiu que o Governo dos Açores tem trabalhado para assegurar as ligações.

A larga maioria dos visitantes opta por ficar em hotéis de quatro e cinco estrelas e fica alojado, em média, 5,89 noites. Antes da viagem, metade aluga automóvel. Quem viaja com um pacote turístico, gasta em média 549 euros e consome em serviços no destino "mais 205 euros”, lê-se no documento. Os que não escolhem esta opção gastam em média 149 euros no voo e 259 euros em refeições, aluguer de automóvel e alojamento.
 

Notícia actualizada - Inclui dados adicionais do INE