INEM perdeu mais de 100 técnicos, muitos para a emigração

Em dez anos, um terço emigrou para ter salários melhores com cursos que custaram milhares ao INEM, onde faltam técnicos. INEM lembra crise e políticas que cortaram salários em Portugal.

A ambulância ter-se-á despistado e embatido numa árvore
Foto
O Governo anterior chegou a publicar a regulamentação da carreira no Boletim de Trabalho, “mas agora, o actual Governo está a empatar o processo e não se percebe porquê”, critica sindicato Pedro Cunha

Em pouco mais de uma década, o INEM perdeu mais de cem técnicos de ambulância, um terço deles para a emigração, segundo uma estimativa do Sindicato dos Técnicos de Ambulância de Emergência (STAE).

Desde 2004, dez a 15 técnicos por ano terão abandonado o INEM. A maioria muda de profissão em Portugal, na área da saúde, mas a saída para outros países está a preocupar os técnicos, que falam numa “vaga de emigração” que debilita os recursos que o INEM tem para prestar socorro à população. O INEM não conseguiu elaborar um cálculo oficial, mas não desmentiu a estimativa do STAE e admitiu o “fenómeno de emigração”.

“Estimamos que faltam cerca de 300 técnicos para todas as necessidades. Acumulam-se os turnos extras porque faltam pessoas, boa parte foram embora cansados das más condições e da baixa remuneração. É tempo de tomar medidas. Só assistir à vaga de emigração é negligência. O INEM gasta milhares com a formação dos técnicos que depois saem”, critica Pedro Moreira, da direcção do STAE.

Já o presidente do INEM, o major médico Paulo Campos, sublinha que o “fenómeno” da emigração é “transversal a todas as actividades em Portugal”. Aliás, diz, “acontece não por causa do INEM, mas da crise que vivemos, que baixou transversalmente os salários, afectando, nessa medida, também todos os profissionais do INEM”. Mostrou-se, contudo, preocupado em “incrementar medidas de obtenção de recursos humanos”.

Foi em 2004, ano de campeonato europeu de futebol, que o INEM contratou técnicos de ambulância e que os seus meios se mostraram com força nos estádios. Até então, dependia de protocolos com bombeiros e PSP. No ano seguinte, o INEM tinha 190 técnicos, número que foi crescendo e por vezes reduzindo. Hoje contam-se 762 e um défice de 176 face ao quadro de 938. Decorrem, porém, concursos para contratar 85 técnicos e 70 operadores de comunicações. Os técnicos ganham 692,71 euros de salário-base.

“O problema é a remuneração, que as estruturas sindicais não querem assumir como o principal problema. O INEM não tem forma de ultrapassar as decisões políticas e tem de cumprir a lei”, acrescenta Paulo Campos. Ao PÚBLICO, vários técnicos admitiram que no passado todos queriam fazer horas extras. Poderia render 120 euros um turno extra que agora significa apenas 25. O que explica o corte? “As decisões políticas associadas ao Programa de Assistência Económica e Financeira que foi acordado em Maio de 2011”, diz o INEM.

Fartos de não verem respondidas as suas reivindicações, nomeadamente do protelar da regulamentação da carreira, os técnicos estão em greve às horas extras, em Lisboa. O instituto reagiu reorganizando o dispositivo e fechando duas bases em Lisboa.

Muitos técnicos formados pelo INEM estão a aproveitar as suas qualificações e a emigrar em direcção a plataformas petrolíferas em Angola, onde trabalham em equipas de socorro, e ao Reino Unido, onde ingressam como paramédicos.

Alfredo Leal, de 36 anos, esteve 11 anos no INEM. Agora é paramédico no Serviço de Ambulâncias de Bognor Regis, no Sul de Inglaterra. “No Reino Unido recebo 1500 a 2000 libras [cerca de 2700 euros]. Em Portugal, recebia 700 euros e a fazer mais horas com menos condições”, contou. Nas suas palavras, nota-se ainda a mágoa com que fala das condições em que trabalhava. Alfredo ainda hoje lamenta não ter podido fazer mais por algumas vidas em Portugal. Apesar de ter formação, não estava autorizado a praticar os actos médicos, ao contrário do que sucede no Reino Unido. “Por isso, assumo que deixei morrer doentes na ambulância com anafilaxia, hipoglicemia e crise asmática. Sabia como reverter o cenário, mas não estava autorizado a fazê-lo”, disse.

A frustração não é a única a levar à saída dos técnicos. O cansaço e a exaustão emocional, associados à realização de muitos turnos e poucos dias de folga também são referidos pelos técnicos. José Luís tinha um parafuso na secretária, ao lado do computador através do qual chegavam as chamadas de emergência do 112. “Encontrei-o e adoptei-o. Falava com o parafuso para não ir para casa incomodar com conversas de trabalho. Era o meu amuleto. O meu escape para libertar stress”. Reconhece o “ridículo” de falar com um parafuso entre pedidos de socorro ao telefone e, por isso, solta uma gargalhada.

Foi técnico e operador de comunicações no Centro de Orientação de Doentes Urgentes, em Lisboa, durante 11 anos. Saiu em 2013. “Estava no limite, em completo cansaço. Sem força psicológica. Tinha de me proteger. Eram horas a mais, turnos a mais. Tínhamos um tempo médio de sete segundos para atender cada chamada. Ensinam-nos a cuidar dos outros, mas não nos ensinam a cuidar de nós. Sai do INEM e o parafuso veio comigo”, ri-se novamente.

Com 39 anos, é agora auxiliar no Hospital Particular do Algarve. “Ganho melhor e descanso mais”, diz. Técnicos de Lisboa contactados pelo PÚBLICO, e que não quiseram ser identificados, garantiram serem frequentes os turnos de 16 e excepcionalmente de 24 horas. “Não existem turnos de 24 horas, mas sim períodos de funcionamento dos meios de 24 horas que são assegurados por turnos de oito horas”, garante, porém, o INEM.

 Márcia Esteves trabalha no INEM em Lisboa e explica: “Fazemos turnos extras porque nos pedem e porque precisamos de complementar o salário. Há meses em que trabalhamos 32 turnos em 30 dias e em que só folgamos dois”. A técnica critica ainda o “salário baixo” e “ a falta de pessoal”. Os números do cansaço extremo no INEM são conhecidos. Um estudo interno feito em 2013 revelava que 75% dos técnicos tinham sintomas depressivos. Desses, 35% estavam em burnout alto e 40% em burnout médio, um distúrbio depressivo ligado à vida profissional.

“Conheço o estudo. Os números são preocupantes. Ninguém pode trabalhar mais de oito horas por dia. Mais do que isso e no INEM é um movimento sádico imenso. É um sofrimento constante. O INEM é um instituto fantástico e gerador de confiança na população, mas os seus técnicos como pessoas estão presos por arames”, critica o presidente da Associação Portuguesa de Psicologia da Saúde Ocupacional, João Paulo Pereira.

Após o estudo, o INEM criou um “programa de intervenção que visava a intervenção de burnout” entre os técnicos. Segue atentamente estudos académicos nesta área e criou um gabinete de investigação científica. Mas João Paulo Pereira, que fala em “cegueira institucional”, avisa que “se tudo continuar assim, se verificarão mais erros humanos na prestação de socorro e o colapso de todo o dispositivo do INEM”.

Sugerir correcção