BE e PCP exigem suspensão das demolições no bairro de Santa Filomena, na Amadora

Na Assembleia da República, só o PS defendeu a actuação da Câmara da Amadora relativamente às demolições de habitações precárias construídas em terrenos abandonados há décadas.

Foto
Câmara já realojou 327 dos 583 agregados familiares residentes no Bairro de Santa Filomena Miguel Manso

Durante o debate em plenário, a deputada bloquista Helena Pinto alegou que este processo de demolições na Amadora, reiniciado na terça-feira, “não tem qualquer base legal” e serve interesses imobiliários. “Basta subir o morro e percebemos [isso] ao olhar para a vista onde muito provavelmente nascerá uma urbanização de luxo”, criticou, afirmando que não existe qualquer decisão escrita da autarquia sobre as demolições.

A parlamentar do BE, que esteve de manhã no bairro de Santa Filomena, comparou as demolições a “uma espécie de lotaria” e criticou o número “completamente desproporcional” de agentes da PSP que estão no terreno. Já a deputada do PCP Rita Rato considerou o processo “inaceitável” e sublinhou as declarações do Provedor de Justiça, que recomendou a suspensão das demolições perante a falta de informação.

Por outro lado, o deputado do PSD Carlos Silva, também vereador na Amadora, quis fazer uma “retrospectiva histórica” deste processo, notando que esta autarquia foi “a última a aderir” ao Programa Especial de Realojamento (PER) lançado nos anos 90 e que as famílias que não estão abrangidas “não têm direito a um lar, infelizmente”.

O social-democrata disse ter sido informado pela presidente da autarquia (PS) de que há “acompanhamento social permanente” às famílias abrangidas pelas demolições e considerou que estas geram “situações de intranquilidade das populações” num bairro “às portas de uma grande capital europeia”.

Pelo PS, Celeste Correia defendeu a acção da câmara municipal, afirmando que este “não é um tema linear”, em que é difícil “encontrar o tom certo e justo”. A deputada referiu que o município da Amadora investiu 12 milhões de euros nos bairros sociais, “sem apoio do governo central”, e que “a taxa de resolução do PER é de 87%, faltando apenas realojar 874 agregados familiares”.

“A câmara continua empenhada em resolver os problemas e não vai suspender a execução do PER. Não acha que é neste sentido e neste esforço, de Governo, autarquias e sociedade civil que temos de encontrar com bom senso a resposta a este problema?”, interrogou.

O deputado do CDS João Gonçalves Pereira defendeu por seu lado que este processo “deve sobretudo ser acompanhado pela Câmara da Amadora” e que este deve ser concluído “sem nenhum tipo de injustiça social”.

No final do debate, a deputada do BE Helena Pinto apelou aos deputados para realizarem uma visita ao bairro de Santa Filomena e invocou os princípios de uma “política humanista, de esquerda e socialista”: “Não se põem na rua velhos, crianças e pessoas que não têm para onde ir”.

Sugerir correcção
Comentar