Embaixador da Argentina: a austeridade “nunca” garantiu a sustentabilidade da dívida

“A política de austeridade não foi parte da solução, mas foi claramente parte do problema”, diz Jorge Argüello.

Foto
Jorge Argüello, embaixador da Argentina em Portugal Enric Vives-Rubio

Argüello considerou a estratégia de desendividamento da Argentina através da reestruturação da dívida a única via que permitiu ao país lutar “contra os [fundos] abutres” e garantir-lhe um modelo de crescimento sustentável. A austeridade “nunca, nunca” garantiu a sustentabilidade da dívida, vincou.

“No meu país, a dívida nunca foi um instrumento de desenvolvimento. A dívida acompanhou o crescimento do desenvolvimento”, sublinhou, reforçando que o modelo económico baseado no financiamento externo submeteu a Argentina a uma grande crise económica, financeira e política.

À pergunta do deputado do PCP, Paulo Sá, sobre as consequências da reestruturação da dívida para o povo argentino, o embaixador defendeu que o processo foi “indubitavelmente benéfico” para o país. E apresentou alguns argumentos, referindo que, durante dez anos, entre 2003 e 2012, “a Argentina cresceu a uma taxa média de 6% anual”, notando que a pobreza se reduziu para metade e que houve uma aposta no consumo e no aumento real dos salários.

Jorge Argüello ressalvou que cada processo de reestruturação é singular. Mas no caso da Argentina, a leitura que faz é positiva. “A política de austeridade não foi parte da solução, mas foi claramente parte do problema”.

Stuart Holland, economista britânico e ex-conselheiro de Jacques Delors como presidente da Comissão Europeia, centrou o tema da renegociação da dívida portuguesa no contexto da fragmentação da economia europeia, onde diz ser preciso um plano efectivo de promoção do crescimento económico e de redução dos desequilíbrios entre países. O plano de investimento público-privado prometido por Jean-Claude Juncker, disse, não é um verdadeiro plano de recuperação económica para a Europa. “Não é o plano Junkcer. É o plano Katainen”, ironizou, referindo-se à relutância de Jyrki Katainen, comissário europeu do Emprego, Crescimento, Investimento e Competitividade.

Do que a Europa precisa, diria Stuart Holland, é de soluções públicas, num modelo que os fundos europeus de investimento apostem em sectores estratégicos, na saúde, na educação, sem contar para a dívida pública.

Yannis Manuelides, da sociedade de advogados internacional Allen & Overy e que participou na comissão de credores privados que negociou com a Grécia um corte na dívida pública, convocou para o debate as questões técnicas que uma reestruturação envolve. Num processo destes, afirmou, nem tudo está programado e há diferentes abordagens de reestruturação que podem ser encaradas: uma troca de dívida, a extensão das maturidades, um corte na dívida, a redução dos juros. “Há uma longa lista de opções”. E de depois da reestruturação, uma questão que se coloca é a de saber se a dívida passa a ser sustentável.

Falando do caso da Grécia, Yannis Manuelides lembrou que Angela Merkel e Nicolas Sarkozy, quando foram confrontados com a situação de colapso da zona euro no pico da crise em Atenas, acabaram por decidir-se pela reestruturação da dívida. “O risco [de desmembramento da moeda única] foi neutralizado”.