Greve leva a subida da tensão entre sindicato e administração da TAP

Sindicato dos Pilotos acusa os responsáveis da empresa de contactar, “contra a lei”, pilotos para cumprirem os serviços mínimos, quando tal não estava previsto. TAP nega ilegalidade e diz tratar-se de um fait-divers.

Foram cancelados 46 voos devido à greve dos pilotos
Foto
Foram cancelados 46 voos devido à greve dos pilotos Miguel Manso

O presidente do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), Jaime Prieto, acusou neste sábado a TAP de contactar, “contra a lei”, pilotos para cumprirem os serviços mínimos estabelecidos, quando tal não estava previsto. De acordo com Jaime Prieto, o SPAC tinha atribuído as tripulações necessárias para cumprir esses voos, “uma competência vinculativa” quando os pilotos são seus associados, mas da qual, diz, a TAP fez “tábua rasa”.

Os pilotos com serviços atribuídos, afirmou ao PÚBLICO, “nem foram contactados, como deveriam ter sido” e, em vez disso, a companhia entrou em contacto com outros pilotos, colocando “pressão” para serem eles a cumprir alguns dos serviços mínimos, estabelecidos pelo Tribunal Arbitral do Conselho Económico e Social - voos de regresso a Portugal e de 11 ligações a países lusófonos ou com grandes comunidades emigrantes.   

O presidente do SPAC diz que o sindicato “vai agir legalmente” contra esta situação, afirmando que, embora não seja esse o seu desejo, se pode estar perante “um novo foco de conflito” entre a administração da companhia aérea e o sindicato dos pilotos. Contactado pelo PÚBLICO, o porta-voz da companhia aérea, André Serpa Soares, diz que a TAP está convicta “de toda a legalidade dos procedimentos” tomados, e que a questão levantada pelo SPAC é “um fait-divers”.

Dia com perturbações

Neste sábado, houve perturbações nas ligações aéreas com outros países e passageiros afectados, com destaque para Lisboa, mas a greve dos pilotos da TAP acabou por não provocar grandes danos. De acordo com os dados da transportadora aérea, foram cancelados 70 voos, tendo a empresa garantido "80% da sua operação". 

Conforme afirmou André Serpa Soares, os voos cancelados são todos de médio curso, com destino a aeroportos europeus e domésticos. As saídas de Lisboa foram as mais afectadas, uma vez que, no aeroporto do Porto, a presença “mais forte” da Portugália permitiu minorar o efeito da greve, explicou André Soares.

"Realizaram-se ainda 12 voos de médio curso também com pilotos da TAP, a somar aos já inicialmente previstos, pela Portugália (PGA), serviços mínimos” , diz um comunicado emitido pela transportadora na noite deste sábado. A empresa levou ainda a cabo 18 voos de longo curso com pilotos da companhia, “que se somaram aos estabelecidos como serviços mínimos, tendo desta forma a companhia efectuado todos os voos de longo curso, designadamente Brasil, Colômbia, Panamá e Estados Unidos”.

Diferentes destinos

Entre 17 a 18 mil passageiros dos 42 mil com voo agendado para este sábado terão embarcado ao longo do dia, muitos outros deverão viajar noutras datas, e alguns pediram o cancelamento.  Os voos mais curtos foram os mais afectados, o que, para Jaime Prieto, se deve às “decisões pessoais” dos pilotos. “Normalmente, os pilotos de longo curso têm maior ligação institucional à empresa e são pilotos que acumulam cargos próximos da administração”, sublinhou o sindicalista. No entanto, a greve decretada pelos pilotos, diz o SPAC, não tem o objectivo de causar “impacto operacional”, mas serve de “grito de alerta” contra a “má gestão laboral e operacional” da TAP.

Uma das principais questões a preocupar o SPAC é a perda de profissionais qualificados. Já a TAP diz que os motivos da greve são “muito difusos e pouco compreensíveis. “Muito pouco do que tem sido dito pelo sindicato está nas mãos da TAP resolver”, disse André Serpa Soares, sublinhando que “não há resposta possível a dar” porque “não há nenhuma reivindicação que possa ser satisfeita”.

A TAP realizou assim 280 dos 350 voos previstos, entre voos operados pela PGA (que não esteve em greve) e ainda “voos de serviços mínimos ou outros”. Há também a previsão de seis voos que deverão sair atrasados nas primeiras horas da madrugada de domingo, a começar pela ligação a Helsínquia.

Neste sábado, para além de alguns atrasos e dos voos para Faro e para o Funchal, que foram afectados, de acordo com o site da TAP foram também cancelados voos para Dusseldorf, Oslo, Estocolmo, Milão, Helsínquia, Varsóvia, Hanôver, Copenhaga, Gotemburgo e Roma. Entre os passageiros mais atingidos houve reacções distintas. Se Isabella, uma turista italiana, acompanhada pelo marido e três filhos, ficou enervada com o cancelamento do voo para Bolonha, já Peter, um turista britânico, ficou satisfeito por ficar mais uma noite em Lisboa, com estadia paga.

Num dia normal de sábado, a empresa encaixa uma receita da ordem dos nove milhões de euros, valor que não será alcançado, tendo que se calcular despesas com passageiros (como pernoita) e perda de receitas (como o reembolso de alguns passageiros) - a empresa, no entanto, não avançou com números. 

Com agências

Notí

cia actualizada às 21h11

Acrescenta informação de que foram cancelados 70 voos