Opinião

Não aprendemos nada?

Sei muito do mundo. Só não sei o que propõe o PS para Portugal e para a Europa.

1.Vivemos três anos em que políticos ao serviço do capital financeiro trouxeram de volta a pobreza e a destruição do Estado Social. Vivemos anos em que mergulhámos na crise mundial e europeia, pretexto para um brutal retrocesso democrático e de bem-estar social no nosso país.

Vivemos tempos em que o governo de direita faz abertamente chantagem com o Tribunal Constitucional – e o refém é o povo. Vivemos numa Europa cheia de ameaças nacionalistas, de guerras e de imigrantes clandestinos. São tempos de interrogações sobre alternativas para sociedades mais justas e solidárias, para refundar a Europa e refundar as democracias.

2. E que faz o PS? Depois de uma fraca oposição ao governo, começa uma luta interna, um folhetim com muitos episódios, que vai durar todo o verão.

Para deleite dos media e sem responder às perguntas dos portugueses.

Onde está a Internacional Socialista? Qual o seu papel na Europa de velhas e de novas guerras? E os Partidos Socialistas? Reuniram para analisar os resultados das eleições europeias que deram voz a múltiplas direitas? Por que razão só agora, diante de uma competição pela liderança, o PS acorda para a sua abertura aos cidadãos? Se o tivesse feito há três anos atrás, talvez a nossa realidade fosse diferente. Mas não o fez. Só agora desperta, fora de horas. Não é em tempo de incêndios que se preparam as estratégias de prevenção. Aliás, estes parecem fazer, inevitavelmente, parte da nossa paisagem, tão regulares como a época balnear, sempre, todos os anos, como se de um fenómeno natural e fatal se tratasse, sem que, fora da época de calor, se encontrem soluções para o que tem que ser a excepção e não a regra, os incêndios. Uma boa imagem para a abertura dos partidos à sociedade.

3.Os partidos avançam, à direita com um massacre mediático de pálidas mas perigosas figuras, a começar por ex-secretários geral e por deputados que não sabemos quem são mas não hesitam em ditar os nossos destinos e a ameaçar tudo e todos que se lhes oponham. A economia não arranca, agitam mais um aumento de impostos. Num aparente desconcerto entre ministros, vão-nos puxando para o passado.

Quanto ao PS, há questões que gostaria de ver respondidas:

– Se muitas pessoas não hesitam, com demasiada frequência, em duvidar da “política” e dos “políticos”, acham que estão a agir bem, face às responsabilidades de um partido socialista para com todos os portugueses?

– Que se propõem fazer quanto à reestruturação da dívida? Vão continuar a sangrar o país e os cidadãos para pagar nas condições impostas pelos credores? Isto é política, muito mais do que economia.

– Que posição assumem na Europa quanto ao Tratado Orçamental que justifica as medidas de cortes sistemáticos e de asfixia individual e colectiva?

– Enterraram definitivamente a “economia do conhecimento” com a emigração massiva de jovens qualificados? Como se propõem orientar o desenvolvimento sustentado do país?

– Que políticas europeias defendem e concertam para maior justiça social e mais democracia?

Também daí sopram maus ventos e o PS nada nos diz.

4.Sim, sei quem ganhou as marchas de Lisboa e dos jogos de Portugal no mundial. Sim, sei que foi abatido um helicóptero na Ucrânia, que todos os dias dão às costas europeias corpos de náufragos clandestinos. Sei que islamistas marcham sobre Bagdad e que o filho rei substitui o pai rei em Espanha.

Só não sei o que propõe o Partido Socialista para Portugal e para a Europa. “Mudança” quer dizer tudo e não quer dizer nada. Que aprenderam? Lições de moral do livro da quarta classe? Não sabem que os valores fazem parte das práticas sociais, não são um produto que se compre e se venda separado da acção?

Talvez saibam, mas eu, ouvindo o PS, não sei. É por convite. Para dentro, como se o país fosse um cenário. Não somos figurantes. Que aprenderam? Que aprendemos nós?