Opinião

Que fazer a esta praxe?

Ironia das ironias: foi já no período da revolução de Abril que a praxe ressuscitou em Coimbra.

Não deixa de ser curioso constatar que a cidade onde a praxe nasceu e se desenvolveu, Coimbra, à sombra da vetusta Universidade, tenha sido a cidade a dar-lhe uma machadada tão grande que a fez desaparecer em 1969 com o desencadear da crise académica que levou os estudantes a fazerem greve às aulas e aos exames. Ironia das ironias: foi já no período da revolução de Abril que a praxe ressuscitou em Coimbra.

Nos anos sessenta o Conselho das Republicas utilizava a praxe para se movimentar melhor na luta por eleições livres na AAC e pelos direitos essenciais que a ditadura negava, reprimindo-os.

Diga-se para mostrar as contradições dos tempos que os estudantes e os dirigentes estudantis de Lisboa, com um certo preconceito, não encaravam bem o uso da capa e batina pelos colegas de Coimbra, sobretudo em reuniões do movimento associativo. Olhavam a capa e a batina como símbolo de um certo provincianismo.

Porém, quer no processo eleitoral para AAC em 1968, dominada pela Comissão Administrativa imposta pelo governo, quer na crise de 1969 a capa valia como um símbolo de união contra a ditadura. Quem não se lembra das capas e batinas na final da Taça de Portugal entre a Académica e o Benfica?

A vida, porém, prega partidas mesmo aos mais afoitos nos fenómenos de perscrutar o futuro.

Por Lisboa entre as nossas ruas e avenidas há uns anos bons que todos começámos a dar conta da existência de um movimento de capas e batinas que crescia como cogumelos.

E à medida que crescia víamo-lo arregimentado estudantes, caloiros, em atitudes e comportamentos absolutamente degradantes.

Junto aos semáforos, em torno da cidade Universitária os “veterano” e os que não eram caloiros como que tinham adquirido um “direito de punição” sobre os caloiros que constituía uma afronta grosseira aos direitos de qualquer cidadão,

Esta praxe renascida com uma viragem civilizacional para o individualismo e a feroz concorrência mundial é uma amostra da alienação tarada que varre hoje uma parte da juventude, em que a praxe se confunde com violência extrema.

A praxe ressuscitou em Coimbra e noutras cidades sob a forma de uma cópia grosseira do passado com maiores ou menores abencerragens.

Pode hoje dizer-se perante o sucedido no Meco que a Academia de Lisboa e os estudantes são falados sobretudo devido a essas mortes que a todos chocaram.

Que ouvimos sobre a Reforma do Ensino? Nada! Que ouvimos sobre a emigração da juventude, incluindo a licenciada? Nada! Que ouvimos sobre atividades culturais? Nada! Que ouvimos sobre os destinos dos pais? Nada!

Circulam vídeos com rituais de praxe que são, para além de violência gratuita, absolutamente estupidificantes, sem o menor sinal de uma identidade de liberdade e responsabilidade juvenil.

Um certo provincianismo Coimbrão, tão a gosto dos Cerejeiras, Bissaias Barretos e Salazar, deu origem a uma encarnação de capas e batinas daquela cidade do centro para a capital do país.

Os sinais desta praxe de violências são múltiplos. Uns mais violentos que outros.

Mas todos eles assentam na humilhação brutal por parte de uns tantos sobre os res nulius, os caloiros, que são de quem os apanhar, como era a caça depois da Revolução francesa.

Claro que os que hoje são humilhados muito provavelmente amanhã humilharão.

O Código Penal bastaria se não houvesse o pavor de enfrentar o poder académico de que está por detrás da praxe e que é uma verdadeira alienação.

O que os diversos responsáveis têm de fazer é criar todas as condições para que os estudantes do primeiro ano, os caloiros, possam ser livres e rejeitar o que quiserem rejeitar sem medo de represálias.

Alguém disponível para violentar alguém é sempre um ser humano que contém dentro de si um lado monstruoso. Esse lado da praxe pode levar ao seu fim.

Advogado