Seguro defende mais tempo para cumprir metas do défice

Líder do PS respondeu a Passos Coelho.

Torres Couto entende que Seguro não conseguirá obter uma maioria absoluta
Foto
Seguro diz que o PS deve aproveitar os próximos dias para explicar as suas propostas Miguel Madeira

O secretário-geral do PS, António José Seguro, reiterou nesta noite de segunda-feira que Portugal precisa de mais tempo para cumprir metas do défice, considerando que é preciso parar a política de austeridade.

"É necessário mais tempo, porque se tivesse sido aplicado este princípio de mais tempo, e tivéssemos negociado, isso significaria aliviar os sacrifícios dos portugueses", disse o líder socialista aos jornalistas, no final da cerimónia de apresentação da candidata do PS à Câmara da Amadora, Carla Tavares.

António José Seguro reagia às declarações do primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, que segunda-feira, em Évora, admitiu que, em caso de "necessidade", o Governo "não deixará de colocar em cima da mesa" a questão da revisão das metas do défice para 2014.

Segundo o secretário-geral do PS, o país já beneficiou "por duas vezes de mais tempo", mas o Governo "nunca optou por fazer as políticas necessárias à criação de riqueza, mas sim para continuar as políticas de austeridade".

Seguro acrescentou que é "preciso dizer basta à política de austeridade" e fazer o equilíbrio das contas públicas pela "via do crescimento económico e pela criação de emprego".

O líder socialista adiantou que "Portugal tem uma carga fiscal exageradíssima, porque o Governo cumpriu mal o que estava desenhado no memorando e porque insistiu na política de austeridade".

Seguro acrescentou que "o Governo aumentou os impostos para tapar os seus buracos, aquilo que foi o deslize orçamental colossal".

"O que está aqui em causa é mudar radicalmente de política. É isso que já toda a gente viu no nosso país e é isso que o Governo teima em não reconhecer porque não quer admitir que falhou", concluiu.