Troika de regresso a Lisboa para discutir cortes na despesa pública

Negociação é retomada nesta segunda-feira. Missão externa vai discutir alternativas às normas orçamentais chumbadas pelo TC e a reforma do Estado em 2014.

Foto
As negociações deverão estar concluídas no final de Abril Daniel Rocha

Cerca de 600 milhões de euros de poupanças serão conseguidas com reduções de despesa nos ministérios e outros 600 millhões serão totalizados em medidas previstas para 2014 que serão antecipadas para este ano, garantiu o primeiro-ministro numa carta enviada à troika.

Na missiva enviada à troika, que será o ponto de partida das negociações, Pedro Passos Coelho afirmou que poderá compensar as normas orçamentais chumbadas pelo TC com medidas de aproximação da legislação laboral e dos sistemas de pensões dos sectores público e privado.

“As opções podem incluir a aplicação de uma tabela salarial única, a convergência da legislação laboral e dos sistemas de pensões do sector público e privado.” Uma das medidas com que o Governo conta preencher o buraco deste ano será um "redesenho" das contribuições impostas aos beneficiários dos subsídios de desemprego e de doença, fez saber em Dublin, na sexta-feira, o ministro das Finanças.

As condições de execução orçamental de 2013 à luz deste cenário novo deverão estar no centro das atenções dos representantes dos credores internacionais nos primeiros dias das negociações. Esta é a preocupação mais imediata, que obrigou à deslocação de emergência a Portugal dos peritos da Comissão Europeia, Fundo Monetário Internacional e Banco Central Europeu. Caberá a eles validar os cortes na despesa pública identificados pelo executivo de Pedro Passos Coelho como medidas alternativas para poupar os 1326 milhões de euros que valiam as quatro normas chumbadas.

Mas o regresso dos representantes da missão externa a Lisboa não se fica por aqui. A segunda parte do exame regular deverá ainda passar pela identificação de cortes na despesa pública a realizar no próximo ano, um processo que o Governo espera ter fechado no final de Abril, para que a avaliação esteja concluída antes da próxima reunião de ministros das Finanças europeus, a 13 e 14 de Maio.