Durante a primeira metade do ano, a dívida cresceu, mas as amortizações previstas para o final do ano podem colocar este indicador perto dos objectivos do Governo.

  • Marko Mrsnik é o analista da Standard & Poor's que assinou o relatório em que a agência anunciou a subida do rating a Portugal. Nas respostas por email que enviou ao PÚBLICO diz que o crescimento durante o primeiro semestre surpreendeu e que as principais preocupações estão no nível de endividamento

  • Durante a primeira metade do ano, a dívida cresceu, mas as amortizações previstas para o final do ano podem colocar este indicador perto dos objectivos do Governo.

  • Celebremos todos, porque custou, mas chegámos lá. E depois lembremo-nos disto: é fundamental não voltar para trás.

  • Em vésperas de apresentação do OE, Fundo avisa que despesas com pessoal vão continuar a estar sob pressão.

  • Impressionados com aquilo que foi feito no orçamento e na banca durante o último ano, os técnicos do FMI estão entre os mais optimistas para 2017 e 2018, mas a instituição mantém perspectivas sombrias para os anos seguintes.

  • Associação Portuguesa de Bancos vai discutir na próxima segunda-feira o desenho feito pelo Governo e os três maiores bancos para solucionar o elevado nível de crédito malparado nos seus balanços. Mas esclarece que "não foi informada" sobre os termos da solução.

  • A globalização, tal como a conhecíamos, acabou com o “Brexit” e com a eleição de Trump.

  • Moody’s deverá dar a conhecer hoje avaliação do rating do país. Analistas não esperam alteração imediata. A economia cresce perto de 3%, mas a trajectória da dívida ainda não se inverteu e isso conta na hora de decidir.