PSD atribui desvio das metas ao facto de o programa inicial estar “mal desenhado”

Miguel Frasquilho respondeu pelo PSD ao agravamento do desemprego e recessão e atribuiu revisão das metas ao programa ter sido "mal desenhado", em 2011.

PSD insistiu no convite à oposição para se juntarem à comissão parlamentar para a Reforma do Estado
Foto
PSD insistiu no convite à oposição para se juntarem à comissão parlamentar para a Reforma do Estado Rui Gaudêncio

O PSD colocou a responsabilidade do desvio das metas do desemprego e contracção económica no facto de o primeiro programa de ajustamento ter sido “mal desenhado”. Reagindo à apresentação das conclusões da sétima avaliação da troika, Miguel Frasquilho afirmou que “estas revisões deixam à vista de todos que o programa original tinha sido mal desenhado, mal concebido e com projecções e efeitos que não tinham aderência nenhuma à realidade”.

Nesta sexta-feira, o ministro das Finanças anunciou a revisão em alta do desemprego e da recessão económica para 2013. Vítor Gaspar afirmou que o desemprego deve atingir os 18,2% em 2013 e poderá ficar perto dos 19% nos últimos meses do ano. A contracção económica também saiu agravada na sétima avaliação: o Governo antecipa agora que a economia caia 2,3% do Produto Interno Bruto (PIB) até ao final do ano.

“Considero esta taxa de desemprego uma verdadeira calamidade social”, afirmou Miguel Frasquilho, em resposta aos jornalistas. Contudo,“nós também sabíamos, quando pedimos assistência, que as consequências do ponto de vista social”, acrescentou.

Mas o deputado manteve a posição de que responsabilidade da revisão das metas da queda do PIB se deve ao facto de este ter sido mal desenhado quando o pedido de assistência financeira foi assinado, em 2011, pelo Governo socialista de José Sócrates. Contudo, “o cenário agora parece-nos ser mais realista”, disse Miguel Frasquilho.

O social-democrata alerta que “a austeridade não acabou”, mas assegura que não haverá mais austeridade do que aquela que estava inicialmente planeada.  

“Estamos todos conscientes das dificuldades. Ninguém está evidentemente satisfeito com os resultados”, avançou o deputado. A uma questão que colocava em causa a finalidade da política de austeridade orçamental à luz do agravamento da recessão, Miguel Frasquilho contestou que o país está já a ver melhorias nas condições de financiamento nos mercados e assegurou que o PSD espera “daqui a algum tempo, melhoria na qualidade de vida dos portugueses que têm feito tantos sacrifícios”.

Apelo ao PS

Vìtor Gaspar anunciou também nesta sexta-feira que a
troika deu mais um ano para a operação de corte de 4000 milhões de euros na dívida do Estado. Em vez de 2014, a apelidada Reforma do Estado será feita agora até ao final de 2015.

Tendo o alargamento dos prazos como base, Miguel Frasquilho reforçou o apelo aos partidos da oposição, e “em particular ao PS”, para que integrem a comissão eventual criada na Assembleia da República para acompanhar os cortes. O deputado adiantou que, se a razão inicial para não fazer parte da comissão era o espaço de tempo para concretizar os cortes, “então agora está na hora”. 

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações