Estado não considera colecção de Miró do BPN, que vai a leilão, uma “prioridade”

A venda de 85 obras do artista catalão, agendada para 4 e 5 de Fevereiro na Christie's de Londres, está a ser alvo de contestação. Secretaria de Estado diz que a sua aquisição "não é considerada uma prioridade”.

A contestação do leilão das 85 obras do catalão Joan Miró (1893-1983), que estão nas mãos do Estado desde a nacionalização do Banco Português de Negócios (BPN), vai chegar ao Parlamento na sexta-feira, quando serão votadas duas resoluções, do PS e do PCP, contra a venda agendada para Fevereiro na Christie’s, em Londres. As obras, avaliadas pela leiloeira em cerca de 35 milhões de euros, foram alvo de uma petição na Internet assinada até ontem por mais de 3500 pessoas e que questiona se a necessidade de reduzir o "buraco" do BPN não se está a sobrepor aos interesses culturais do país. O secretário de Estado da Cultura respondeu ao PÚBLICO que a aquisição desta colecção não é uma prioridade.

Tem sido atribulado e nem sempre claro o percurso desta colecção de pinturas, desenhos, colagens e guaches do surrealista Joan Miró. São 85 obras que percorrem as diferentes fases da produção artística do catalão, da sua vida e dos acontecimentos do seu tempo. É por isso que a colecção, comprada em 2006 a um coleccionador japonês por cerca de 34 milhões de euros pelo BPN de José Oliveira Costa, é vista como “uma das mais extensas e impressionantes ofertas de trabalhos do artista que alguma vez foi a leilão”, como escreveu a Christie’s quando anunciou o leilão no final de 2013, que acontece a 4 e 5 de Fevereiro em Londres. No início deste mês, foi lançada a petição contra a venda das obras e na semana passada o PS e o PCP apresentaram os seus projectos de resolução no mesmo sentido.

Quando em 2008 o Governo de José Sócrates anunciou a nacionalização do BPN, o Estado herdou a colecção, que desde então tem estado guardada nos cofres da Caixa Geral de Depósitos, em Lisboa. Cinco anos passaram e nunca estas pinturas e desenhos foram expostos em Portugal – contudo, alguns dos trabalhos chegaram a viajar e a integrar retrospectivas de Joan Miró, como aconteceu em 2009 no Museu de Arte Moderna de Nova Iorque (MoMA). Agora, vão ser vendidos para que se possa abater mais uma parte da dívida deixada pelo BPN e a possibilidade de exposição ou integração em alguma colecção pública é cada vez mais distante.

Pedro Lapa, director do Museu Colecção Berardo, em Lisboa, chegou a ser desafiado por Oliveira e Costa quando ainda estava na direcção do Museu do Chiado para organizar uma exposição das obras, mas “as coisas no BPN complicaram-se e nunca aconteceu nada”, como conta ao PÚBLICO. “Mostrei interesse e quis saber como eram as obras, mas depois tudo começou a conturbar-se e Oliveira Costa disse-me que afinal o projecto seria outro, que estaria interessado em fazer um fundo de investimento [com as obras e pô-las] a circular. Ainda lhe pedi para expor primeiro em Portugal, mas tudo se precipitou”, lembra o curador, que contesta a venda destes 85 trabalhos. “Obviamente, desde que o Estado resolve nacionalizar o banco que isto passou a ser património público e por isso não consigo perceber como é que se pode pensar em vender uma colecção destas”, diz Pedro Lapa. E lembra: "[Ainda hoje] “nós, contribuintes, estamos a pagar o rombo do BPN.”

Para Pedro Lapa é incompreensível que o Estado esteja disposto a perder estas 85 obras de Miró, “um fantástico artista, um dos maiores do século XX”, num momento em que os museus portugueses “não têm meios nenhuns para aumentar as suas próprias colecções”. “É uma oportunidade única, estas obras já estão aqui, são do Estado e portanto como é que se se vai desfazer de obras de arte deste valor, que são património universal e que seriam uma profunda mais-valia para qualquer museu em Portugal?”, questiona o director do Museu Colecção Berardo. “Se é uma questão económica e o problema é a falta de dinheiro, porque não se vende também o [Hieronymus] Bosch do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA)?”, sugere, referindo-se ao tríptico Tentações de Santo Antão do pintor holandês, uma das jóias do MNAA.

Estes são alguns dos argumentos usados também por Carlos Cabral Nunes, que lançou online a petição Manutenção em Portugal das obras de Miró (do património BPN). O galerista, director da Perve Galeria e que inaugurou recentemente a Casa da Liberdade – Mário Cesariny, lamenta a decisão do Estado, anunciada em Julho de 2012 pela então secretária de Estado do Tesouro e actual ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque. Na altura, Maria Luís Albuquerque explicou que seriam consultadas as principais leiloeiras internacionais para que a colecção pudesse ser vendida num “leilão público, com toda a transparência”. Nesse processo de consulta, a escolhida foi a Christie’s, mas Carlos Cabral Nunes questiona os timings.

Passou mais de um ano entre o anúncio da intenção de venda e o anúncio do leilão que, “inesperadamente”, surgiu com pouco mais de um mês de antecedência em relação à data agendada pela Christie’s. “Estávamos expectantes de conhecer as obras, pelo menos esperava que fossem expostas antes de serem vendidas e de repente está tudo decidido, está tudo feito”, aponta Cabral Nunes. “É uma situação negligente, porque, como se sabe, as obras estavam à guarda da Caixa Geral de Depósitos, que tem a Culturgest, que é um espaço de exposições, e por isso não se percebe porque é estas obras nunca foram expostas quando os contribuintes foram chamados a pagar a sua manutenção, a sua guarda e os seus custos de seguro”, continua o galerista, que levou o tema aos grupos parlamentares do PS e do PCP. Os dois partidos reconhecem a importância destas obras para o património cultural português, pedindo que se cancele a venda e se estude uma forma de rentabilizar a colecção em Portugal.

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.

Nos Blogues