Bernardo Futscher Pereira: “A ditadura era largamente aceite”

Orgulhosamente Sós completa uma trilogia de livros do embaixador Bernardo Futscher Pereira dedicada à diplomacia da ditadura, onde havia divergências, mas que eram sempre minimizadas. O ministro dos Negócios Estrangeiros Franco Nogueira bateu-se junto de Salazar para um plesbiscito sobre a autonomia das colónias, mas Salazar nunca cedeu.

Foto
Bernardo Futscher Pereira: "Haveria muita gente no MNE que considerava que a política de Salazar estava votada ao insucesso, mas na verdade acatavam as ordens, cumpriam as instruções e defendiam a política do regime sem a questionar"

Bernardo Futscher Pereira é hoje embaixador em Marrocos. Já foi o “nosso homem” em Dublin, cônsul de Barcelona, e assessor diplomático de António Costa e antes disso do Presidente da República Jorge Sampaio. Com o livro Orgulhosamente Sós — A Diplomacia em Guerra (1962-1974), editado pela Dom Quixote, narra o fim do império e completa a trilogia para a qual mergulhou no arquivo do Ministério dos Negócios Estrangeiros, um acervo pouco usado pelos historiadores. O primeiro livro foi A Diplomacia de Salazar (2012) e o segundo O Crepúsculo do Colonialismo (2017).

Sugerir correcção
Ler 21 comentários