Ministros do Ambiente aceitam fim do motor de combustão mas admitem fuel sintético depois de 2035

Países como Itália e Portugal queriam mais cinco anos para os carros híbridos, mas recuaram. Ambientalistas aplaudem acordo mas criticam a porta aberta aos combustíveis sintéticos.

Foto
Nuno Ferreira Santos (arquivo)

A União Europeia (UE) deu na última noite mais um passo rumo ao fim da venda de veículos com motor de combustão interna a partir de 2035, mas deixou a porta aberta para que estes possam substituir a gasolina e o gasóleo pelos combustíveis sintéticos a partir desse ano. Uma possibilidade que desagrada aos ambientalistas.

Sugerir correcção
Ler 3 comentários