Tayari Jones: “Não foi para isto que Dr. King morreu”

Ao quarto romance Tayari Jones sai do semi-secretismo dos clubes de leitura de mulheres negras para se tornar num sucesso mundial e conquistar um dos prémios mais prestigiados da literatura. Um Casamento Americano trata do efeito de uma injustiça na mais íntima das instituições: o casamento. É um livro sobre o amor negro no Sul do século XXI.

Foto
The American writer Tayari Jones poses at the Basilica of Massenzio during the Rome International Literature 2019 edition. Rome (Italy), June 25th, 2019 (photo by Mondadori via Getty Images/Archivio Mondadori via Getty Images/Mondadori via Getty Images) Mondadori via Getty Images/Archivio Mondadori via Getty Images/Mondadori via Getty Image

Celestial ama Roy, que ama Celestial. Os dois são negros. Ela pertence a uma família burguesa de Atlanta. Ele vem do mundo rural, e é o primeiro de muitas gerações a chegar à universidade e a conseguir um emprego que lhe permite um nível de vida igual ao da mulher com quem acaba por casar. Tudo normal não fosse o normal uma abstracção que, no caso de Celestial e Roy, desaba no dia em que ele é acusado por um crime que não cometeu e condenado a uma sentença que o levará a anos de prisão.

Sugerir correcção
Comentar