Botox e laser: os riscos de uma moda que já soma 55 inquéritos-crime

Das depilações a laser às injecções de botox, o crescimento dos procedimentos cosméticos por pessoas sem formação médica tem crescido. A ASAE e especialistas médicos apontam como principais locais para realizar estes procedimentos são cabeleireiros, gabinetes de estética e solários.

Foto
Os procedimentos cosméticos com lasers ou produtos injectáveis só podem ser feitos por médicos ou sob supervisão médica Getty images

O boom de oferta de serviços de preenchimento com ácido hialurónico ou toxina botulínica (comummente chamada de botox), bem como os serviços com recurso a laser, como os jactos de plasma, tem sido cada vez mais evidente para os dermatologistas, cirurgiões plásticos e especialistas em medicina estética. Desde 2019, a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) já instaurou 55 inquéritos-crime por alegada usurpação de funções médicas e, nalguns casos, por ofensas à integridade física.

Sugerir correcção
Ler 3 comentários