Há duas pizzarias portuguesas entre as 50 “melhores da Europa”

Forno d’ Oro, em Lisboa, e Arte Bianca, em Aljezur, estão no 50 Top Pizza de 2022, “um dos concursos internacionais mais prestigiados” do sector.

restaurantes,premio,aljezur,gastronomia,fugas,lisboa,
Fotogaleria
Forno d'Oro, de Tanka Sapkota, subiu para o 16.º lugar do 50 Top Pizza Joao Silva (Arquivo)
restaurantes,premio,aljezur,gastronomia,fugas,lisboa,
Fotogaleria
O restaurante lisboeta tem um forno forrado a folha de ouro Joao Silva (arquivo)
restaurantes,premio,aljezur,gastronomia,fugas,lisboa,
Fotogaleria
É especializado em pizzas napolitanas Joao Silva (arquivo)
fugas,
Fotogaleria
Emanuele Zingale é o chef e pizaiolo do Arte Bianca DR
restaurantes,premio,aljezur,gastronomia,fugas,lisboa,
Fotogaleria
O grupo nasceu em 2015 e integra três restaurantes na Costa Vicentina DR
,cozinha europeia
Fotogaleria
Pela primeira vez no 50 Top Pizza, o gupo ocupa a 49.ª posição DR
fugas,
Fotogaleria
Arte Bianca tem três restaurantes: na vila de Sagres, na Arrifana e em Sagres DR
fugas,
Fotogaleria
Todas as massas utilizadas são naturais e “altamente digestivas” DR
,Bruschetta
Fotogaleria
Feitas com "farinhas italianas seleccionadas, provenientes directamente de Dal Mulino” DR
,Restaurante
Fotogaleria
O grupo possui um laboratório interno, onde trabalha as áreas de investigação e inovação DR

O Forno d'Oro, restaurante do chef nepalês Tanka Sapkota, conquistou a 16.ª posição do ranking 50 Top Pizza, “um dos concursos internacionais mais prestigiados em termos de avaliação de pizza italiana e que elege, todos os anos, as 50 melhores pizzarias da Europa”, anuncia em comunicado. Desde 2019 que o restaurante lisboeta integra o elenco do 50 Top Pizza – há um outro concurso apenas para pizzarias em Itália – subindo posições todos os anos (arrancou na 27.ª).

Desta vez, não é o único português a integrar a lista: Arte Bianca, grupo de restauração com três espaços na Costa Vicentina, entra directamente para o 49.º lugar do ranking. Criado em 2015, “possui um laboratório interno, onde a investigação e a inovação de novos produtos e de diferentes tipos de massas são realizadas, assim como o controlo de qualidade, tanto no produto base como na transformação de subprodutos”, indica a nota de imprensa. Com restaurantes em Aljezur, Arrifana e Sagres, todas as massas utilizadas são naturais, “altamente digestivas” e “feitas com farinhas italianas seleccionadas, provenientes directamente de Dal Mulino”.

“A massa é o elemento-chave da pizza. O trabalho que temos desenvolvido ao nível das massas-mãe tem sido fundamental para a qualidade do produto final. A nova massa que adicionámos no menu é tão leve que funciona como uma nuvem a suster os ingredientes da pizza”, constata Emanuele Zingale, chef e pizaiolo do Arte Bianca. “Acreditamos que esta distinção vai despertar ainda mais curiosidade por portugueses e turistas que visitam o país para vir conhecer a essência do Arte Bianca e o trabalho, a paixão e o amor que temos pela boa comida e pela cozinha italiana”, acrescenta a fundadora do projecto, Manuela Mattavelli.

Foto
Aberto em 2015, o Arte Bianca tem três restaurantes em na vila de Aljezur, Arrifana e Sagres DR

Já a pizzaria lisboeta, cujo forno a lenha é forrado a folha de ouro, além de conquistar a 16.ª posição, recebeu ainda o prémio de Melhor Carta de Vinhos da Europa. “Sempre que algum dos meus restaurantes conquista um prémio, olho para isso como um incentivo à continuação do nosso trabalho, e ao querer fazer sempre melhor do que ontem”, afirma Tanka Sapkota, chef nepalês especializado em gastronomia italiana. “No Forno d’ Oro, especializamo-nos em pizzas napolitanas, e essa é uma característica que nos distingue face a muitos outros restaurantes. Comecei a fazê-las em 2010, mas só em 2015 ganharam casa própria aqui”, acrescenta.

Além do Forno d'Oro, Tanka Sapkota é proprietário de outros três restaurantes em Lisboa, onde soma 23 anos de trabalho desde que abriu o primeiro espaço, o Come Prima. Têm ainda o Il Mercato e a Casa Nepalesa.

Foto
Chef Tanka Sapkota joao maria

Para poder ir a concurso no 50 Top Pizza, o restaurante tem de ser recomendado e é depois avaliado por “pontuações atribuídas por inspectores anónimos que operam em todo o mundo” e que se baseiam “no conceito de excelência no sentido lato, valorizando quem faz uso de produtos locais e sazonais”. São vários os critérios, como a qualidade dos produtos utilizados e a forma como os diferentes elementos foram combinados na pizza; o serviço e a preparação do staff da sala e a sua capacidade em apresentar e explicar os produtos; o ambiente, decoração e limpeza do espaço; o tempo de espera e a gestão do fluxo de clientes; a existência de carta de vinhos (com referências locais e regionais) ou de cerveja, preferencialmente artesanais; entre outros.

Sugerir correcção
Ler 3 comentários