João Cabral: O fotógrafo e a cidade

Conhecemo-lo na Rua das Flores, num Instagram a preto e branco e na Ponte de Luiz I parcialmente destapada pelo nevoeiro que persegue. Esta é a história do Porto com uma testemunha em comum.

pintura,livros,instagram,porto,turismo,franca,
Fotogaleria
Passeio de São Lázaro, Porto, 04/01/2021 João Cabral
pintura,livros,instagram,porto,turismo,franca,
Fotogaleria
Estação de S. Bento, Porto, algures em Setembro de 2016 João Cabral
pintura,livros,instagram,porto,turismo,franca,
Fotogaleria
Vista sobre o cemitério do Prado do Repouso, Porto, 26/11/2021 João Cabral
pintura,livros,instagram,porto,turismo,franca,
Fotogaleria
Praça Almeida Garret, Porto, 03/01/2021 João Cabral

O fumo da locomotiva a vapor que acaba de atravessar a ponte D. Maria Pia sufoca os túneis até se fazer luz sobre as plataformas da Estação de São Bento à pinha. Os cabos entrelaçam-se sobre as ruas da cidade e os eléctricos avançam lentamente em fila indiana 31 de Janeiro acima, ajudando a compor uma ruidosa sinfonia de charretes, vendedores de cautelas e bandos de pombos que esvoaçam junto aos sinos da Sé. Se olharmos com atenção, o Porto de O Pintor e a Cidade (filme de 1956 em que Manoel de Oliveira contrapõe a sua visão cinematográfica à do pintor António Cruz) é o mesmo Porto de João Cabral, o fotógrafo e a cidade, seis décadas depois, a mesma neblina, as estátuas que apontam a direcção do ritmo da cidade, a memória dos estendais nas Fontainhas, das marchas de crianças na Sé e dos namoricos na Cordoaria ao som da banda no coreto.

Sugerir correcção
Comentar