Garantir Cultura: atrasos no pagamento dos apoios agravam endividamento do sector

Promotores culturais lamentam a alteração das regras a meio do processo e a falta de informação. GEPAC diz que atrasos são pontuais e de muito curta duração.

Foto
"Blind Date", peça de Afonso Cruz e Joana M. Lopes que a associação Gato que Ladra levou à cena no Centro Cultural da Malaposta Vitorino Coragem

Entre Maio e o início de Dezembro de 2021, Sérgio Marques levou o seu projecto Cinema Insuflável em itinerância por várias localidades do país, de norte a sul; no início de Junho, a Companhia João Garcia Miguel lançou em streaming a Flux TV; no final de Julho, o dramaturgo e encenador Rui Catalão apresentou na Moita o projecto de integração cultural Ao Abrigo da Distância, e a empresa Trovas Soltas realizou o festival de dois dias Porto Blues Fest; em meados de Agosto, o produtor, encenador e actor Miguel Ruivo Duarte iniciou uma digressão de três semanas pelo país com o festival multitemático Acompanhar-te Fest; no início de Outubro, a banda Bardino promoveu em Coimbra o concerto JazzNãoJazzPT, que envolveu também os grupos Azar Azar, Mazarin e Yakuza; no mesmo mês, a associação cultural Corpo de Hoje promoveu o IV Festival de Artes Performativas de Tavira, e a produtora Tânia M. Guerreiro apresentou em Lisboa o evento Dançar É a Minha Revolução; no início de Novembro, outra associação, a Gato que Ladra, levou à cena no Centro Cultural da Malaposta, em Odivelas, a peça de Afonso Cruz e Joana M. Lopes Blind Date.

Sugerir correcção
Comentar