António Costa quer deixar “rancores” para trás e fazer do PS “ponto de concórdia nacional”

A cabeça de lista do PS pelo círculo de Setúbal, Ana Catarina Mendes, devolveu as acusações de mentira aos sociais-democratas. “Nesta campanha, o doutor Rui Rio é o lobo vestido com pele de cordeiro, que não diz ao país o que quer, que está a dissimular o seu programa”, disse.

politica,rui-rio,antonio-costa,eleicoes,psd,ps,
Fotogaleria
daniel rocha
politica,rui-rio,antonio-costa,eleicoes,psd,ps,
Fotogaleria
daniel rocha
politica,rui-rio,antonio-costa,eleicoes,psd,ps,
Fotogaleria
daniel rocha/PUBLICO
politica,rui-rio,antonio-costa,eleicoes,psd,ps,
Fotogaleria
daniel rocha

Depois de quase duas semanas com críticas à direita e aos antigos parceiros - que responsabilizou pela crise política e incapacidade de diálogo -, António Costa afirmou esta quarta-feira que é preciso saber ouvir os portugueses e, “sem acrimónias e sem rancores”, saber reconhecer a “responsabilidade histórica” do PS, um partido que, nas palavras do líder socialista, “foi sempre o ponto da concórdia nacional, o ponto de mobilização das diferentes forças políticas e da unidade nacional”.

Sugerir correcção
Ler 2 comentários