Douro Património da Humanidade 20 anos depois: inscrição pela UNESCO não estará em risco, mas ICOMOS queixa-se de falta de transparência

Passam esta terça-feira duas décadas sobre a inscrição do Alto Douro Vinhateiro como Património da Humanidade. O ICOMOS-Portugal tem dúvidas sobre a condução do processo; as entidades responsáveis asseguram que a monitorização está a ser partilhada por toda a região.

Foto
RUI OLIVEIRA

Ainda o processo da Barragem de Foz-Tua e o projecto do Douro Marina Hotel, mas também o risco provocado pelas explorações mineiras, pelas alterações climáticas, além da redução tanto da população como da área da vinha cultivada… O ICOMOS-Portugal continua a ter receios e uma posição muito crítica relativamente à situação do Alto Douro Vinhateiro (ADV) inscrito, faz esta terça-feira vinte anos, como Património da Humanidade pela UNESCO.

Sugerir correcção
Comentar