Movimentos sociais “não estavam preparados” para Bolsonaro e estão a ser “criminalizados” e perseguidos

Silvio Caccia Bava, director do Le Monde Diplomatique Brasil, diz que movimentos sociais como os Sem Terra ou de defesa dos direitos LGBT estão a ser “criminalizados” e perseguidos.

Foto

O director do Le Monde Diplomatique Brasil, Silvio Caccia Bava, traça ao PÚBLICO um retrato do panorama dos movimentos sociais no país desde a chegada de Jair Bolsonaro ao poder, que diz estarem a ser “criminalizados”. Fundador do Partido dos Trabalhadores, o jornalista reconhece que o regresso de Lula à linha da frente da política reflecte uma dificuldade do maior partido da esquerda brasileira em encontrar novos líderes.

Sugerir correcção
Comentar