Bancário apanhado numa escuta a falar sobre transferência de 1,5 mil milhões em negócio de ouro

Empresa com sede em Queluz que só apresentou contas até 2018 seria usada para mascarar negócios de ouro e diamantes. Funcionário bancário terá ajudado cúmplice do alegado líder da rede suspeita de traficar diamantes, ouro e droga a fazer transferência de avultadas quantias em dinheiro.

Foto
Sede em Monte Abraão da empresa que se dedicava a importação e exportação de pedras preciosas DR

Um funcionário bancário do Millennium BCP de Linda-a-Velha que alegadamente colaborava com um dos cúmplices de Paulo Nazaré, o ex-sargento que liderava a rede de militares e ex-militares que se dedicavam ao tráfico de diamantes, ouro e droga e ao branqueamento de capitais sob investigação, foi apanhado numa escuta a falar ao telefone sobre uma transferência de 1,5 mil milhões de euros.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários