O frenesim de António Costa: uma explicação

É obviamente lamentável que António Costa fique para a História como o homem que fez tudo o que pôde pelo PS e nada do que era preciso fazer por Portugal.

Têm sido viagens de milhares de quilómetros e promessas de milhares de milhões de euros. António Costa anda numa roda-viva. Num dia está em Beja. No outro dia em Matosinhos. A seguir no Funchal – sempre a transbordar de entusiasmo e com uma verba do PRR para distribuir em cada capelinha. Há quem diga que estamos numa campanha para as eleições autárquicas. Mas, a avaliar pelas aberturas dos telejornais, não se nota qualquer diferença para uma campanha de legislativas. O primeiro-ministro está em todo o lado, como Nosso Senhor, a prometer tudo, o tempo todo.