Cristina Rodrigues: “Os políticos deviam preocupar-se mais em ouvir as pessoas e menos em serem ouvidos”

A ex-deputada do PAN chegou à Assembleia da República em 2019, sem qualquer experiência política. Hoje, senta-se à mesa com o Governo para discutir o Orçamento do Estado e faz a diferença na matemática parlamentar. Saiu do PAN em Junho de 2020 por divergências com a direcção e diz que o partido precisa de mudanças.

Foto
Apesar dos solavancos, Cristina Rodrigues faz um balanço positivo do seu mandato e admite voltar a candidatar-se nas próximas legislativas

Foi uma das primeiras deputadas eleitas pelo PAN, mas chegou ao partido por mero acaso: entrou na vida política através de um anúncio de emprego para um partido (que nem sequer estava identificado). Saiu do PAN em Junho de 2020 (dias depois da saída do eurodeputado Francisco Guerreiro) por se sentir condicionada e foi como deputada não-inscrita que começou a ganhar mais destaque. A meio da legislatura, longe vai a polémica da pré-campanha campanha das legislativas de 2019 durante a qual ficou evidenciada que desconhecia medidas do programa pelo partido pelo qual concorria. Cristina Rodrigues tornou-se numa das chaves do Governo para garantir a viabilização do Orçamento do Estado do último ano. E quer manter-se em jogo.