Aeroportos portugueses com menos 66% de passageiros em Junho face ao pré-pandemia

Dados do INE mostram que, em termos semestrais, houve uma redução de 44,6% do número de passageiros face a 2020 e de 80,4% quando se compara com 2019.

Foto
França foi o principal país de origem e de destino dos voos internacionais Paulo Pimenta

No passado mês de Junho, passaram pelos aeroportos nacionais perto de dois milhões de passageiros, um número que é muito superior ao verificado em idêntico período do ano passado, mas que está ainda 66% abaixo do que se verificou em Junho de 2019 devido ao impacto da pandemia de covid-19.

Os dados, divulgados esta quarta-feira pelo INE, mostram que, quando se faz a análise em termos semestrais, houve uma redução de 44,6% do número de passageiros face a 2020, passando de 9,9 milhões para 5,48 milhões, e que se aprofunda para -80,4% quando se compara com 2019 (contabilizando embarques, desembarques e trânsitos directos). Isto mesmo contando com o impulso dado durante algumas semanas pela abertura do corredor aéreo entre Portugal e o Reino Unido, de 17 de Maio a 7 de Junho deste ano.


Nesse período, diz o INE, “desembarcaram 38,1% do total de passageiros desembarcados nos aeroportos nacionais no conjunto dos dois meses (Maio e Junho). Destes, a maioria (57%) teve o aeroporto de Faro como destino.

A França posicionou-se como o principal país de origem e de destino dos voos internacionais no semestre (teve 411 mil passageiros desembarcados) e o Reino Unido ficou na segunda posição (com a maior queda, de 62%, nos passageiros desembarcados, fixando-se nos 216 mil).

Segue-se a Alemanha, que ocupou a terceira posição, com 209 mil. De acordo com o INE, no semestre em análise o aeroporto de Lisboa “movimentou 46% do total de passageiros (2,5 milhões) e registou um decréscimo de 55,4%, “o mais acentuado dos três aeroportos com maior tráfego anual de passageiros”. O Porto perdeu 44,5%, caindo para 1,3 milhões de passageiros e Faro desceu 28,1%, para 575 mil passageiros.

O segmento de carga teve uma melhor performance ao registar uma subida de 18,4% face aos primeiros seis meses do ano passado, com 84,2 mil toneladas, e uma descida de 15% face a idêntico período de 2019. Segundo os dados do INE, o movimento de mercadorias no aeroporto de Lisboa representou 67,6% do valor do semestre, atingindo 56,9 mil toneladas (+20,1% face ao período homólogo).