O que o tempo faz e nos faz

Não pára, já existia antes de nós e perdurará para além de nós. O tempo é o que fazemos dele.

leitura,ilustracao,criancas,miudos,educacao,livros,
Fotogaleria
Johanna Schaible
leitura,ilustracao,criancas,miudos,educacao,livros,
Fotogaleria
Johanna Schaible
leitura,ilustracao,criancas,miudos,educacao,livros,
Fotogaleria
Johanna Schaible
leitura,ilustracao,criancas,miudos,educacao,livros,
Fotogaleria
Johanna Schaible
,Casa editrice
Fotogaleria
Capa de “Era Uma Vez (e Muitas Outras Serão)”, edição do Planeta Tangerina Johanna Schaible

Da formação dos continentes ao final do mais recente Outono e à contagem do último minuto, passaram-se milhares de milhões de anos. Sabendo nós que o tempo não pára, o que imaginamos que virá depois?

“O que vais fazer amanhã? Como irás celebrar o teu aniversário para o ano? Terás filhos um dia? Do que te irás lembrar quando fores velho? O que desejas para o futuro?”, pergunta a autora de Era Uma Vez (e Muitas Outras Serão), Johanna Schaible, entre ilustrações de cores fortes e páginas de tamanho variável. Cabe a cada leitor encontrar as suas próprias respostas.

Entre anseios e receios, este livro convida ao pensamento filosófico que a passagem do tempo impõe. Cada frase inquisitiva, grafada como legenda de uma imagem antiga ou actual, convoca o leitor para a reflexão sobre o que o tempo faz e nos faz. Mas também para o que fazemos e faremos dele.

Foto
Johanna Schaible

Johanna Schaible vive na Suíça e trabalha em ilustração, arte e design, ampliando os limites de expressão de cada uma destas disciplinas. Estudou na Escola de Arte e Design de Luzern  e, em 2019, foi seleccionada para o Unpublished Picturebook Showcase da plataforma Dpictus com o projecto para este livro.

Além da expressão plástica de grande qualidade, o livro vale também pela originalidade de fazer variar o tamanho das páginas à medida que se avança na leitura e no folhear. Começando com o tamanho que se espera para o seu formato, logo se assiste ao gradual encolher do papel, a par da aproximação do tempo presente.

A meio do livro, quando o futuro se anuncia, há um crescendo proporcional e simétrico ao do passado invocado. E as folhas de papel vão aumentando até ao formato em que tudo começou.

Foto
Johanna Schaible

Crianças e adultos vão gostar deste objecto e deste exercício de pensar sobre “o que fica do que passa” e sobre o que o futuro trará. Mesmo que não conheçam ainda as respostas. É sabido que para cada leitor “era uma vez” e outra e outra… e outra ainda.

Mais uma pergunta da autora: “O que irá marcar-te para sempre?” Talvez um livro. Pode até ser este.

Mais artigos Letra Pequena e blogue Letra Pequena