Calor extremo nos EUA: Vale da Morte da Califórnia chega aos 54,4°C

Na semana passada, em várias cidades as temperaturas ultrapassaram os 40ºC, causando muitas mortes entre as camadas mais vulneráveis da população.

Foto
Os bombeiros que lutam contra os muitos incêndios florestais contam que o ar é muito seco Reuters/U.S. FOREST SERVICE/RACHEL SMI

A onda de calor extremo que está a afectar os Estados Unidos da América (EUA) está a aumentar e as previsões indicam temperaturas para os estados da Califórnia e do Nevada, avança a BBC. O cenário ocorre pouco tempo depois de outra perigosa onda de calor ter atingido o Noroeste da América do Norte, que viveu o Junho mais quente de sempre.

O Vale da Morte da Califórnia registou na sexta-feira um aumento na temperatura e os termómetros bateram nos 54,4 graus Celsius. Esperam-se temperaturas semelhantes durante este fim-de-semana. 

A temperatura no Vale da Morte desta sexta-feira corresponde ao mesmo valor registado em Agosto de 2020 – considerada por alguns peritos como a temperatura mais alta alguma vez registada na Terra. Uma temperatura de 56,7 graus foi notificada em 1913, mas este registo é contestado por especialistas do clima.

Na semana passada, em várias cidades as temperaturas ultrapassaram os 40ºC, causando centenas de mortes entre as camadas mais vulneráveis da população. No Canadá, quase 500 pessoas morreram. Nos EUA, a última actualização das autoridades norte-americanas dá conta de quase 200 mortes: 116 pessoas morreram no estado de Oregon e 78 no de Washington. 

Milhões de norte-americanos estão já de sobreaviso relativamente ao calor excessivo. O Serviço Meteorológico Nacional aconselhou as pessoas afectadas a beber muita água e permanecer em prédios com ar condicionado.

Os bombeiros que lutam contra os muitos incêndios florestais na região contam que o ar é tão seco que grande parte da água lançada pelas aeronaves para conter as chamas evapora ainda antes de atingir o solo.

No Norte do Nevada, perto da fronteira com a Califórnia, a população foi retirada das suas casas devido aos incêndios provocados por raios que atingiram partes da região florestal de Sierra Nevada.

Os meteorologistas dizem que o recorde de Las Vegas de 47,2°C também pode ser ultrapassado.

A América do Norte viveu este ano o mês de Junho mais quente desde que existem registos, marcado por recordes excepcionais no Canadá, anunciou o Serviço Europeu de Mudanças Climáticas Copérnico (C3S), que vê estes dados uma prova do aquecimento global.

O mês de Junho de 2021 excedeu a média do período 1991-2020 em 1,2°C, ficando 0,15°C acima do mês de Junho mais quente até agora para esta região, em 2012, declarou à AFP Carlo Buontempo, director do C3S, associando este recorde à onda de calor observada no Canadá e em parte dos Estados Unidos.