Já quase não se vê água na Califórnia. É a pior seca desde 1977

REUTERS/Aude Guerrucci
Fotogaleria
REUTERS/Aude Guerrucci

É a maior seca que a Califórnia enfrenta desde 1977: os lagos evaporaram, os canais estão praticamente secos, a linha costeira recuou. O Serviço Nacional de Meteorologia (NWS) norte-americano já tinha alertado que as temperaturas registadas no mês de Junho eram "as mais altas da histórica cúpula de calor" e as imagens captadas pela Reuters ao longo de Junho e Julho mostram o cenário devastador do estado americano. 

Os recordes históricos de temperaturas, registados no final de Junho no Ocidente do Canadá e dos EUA são provocados por uma onda de calor de intensidade extremamente rara — "estatisticamente não acontece mais do que uma vez em poucos milhares de anos, em média", dizem os especialistas em Meteorologia do Washington Post — e são, segundo os cientistas, um fenómeno designado "cúpula de calor", no qual as altas pressões retêm o ar quente da região. O fenómeno já causou o encerramento de escolas, centros de vacinação contra a covid-19 e motivou a criação de centros de arrefecimento.

Mas, avisam os especialistas, "a mudança climática introduzida pelo ser humano tornou este tipo de eventos excepcionais mais prováveis". Por todo o mundo, os fenómenos extremos provocados pela crise climática vão intensificando e os cientistas deixam avisos atrás de avisos: uma das principais conclusões do Fórum Económico Mundial, que aconteceu em Setembro de 2020, dizia que se não combatermos o aumento da temperatura média anual, dentro de 80 anos incêndios como os que assolaram a Califórnia em 2020 ficarão ainda mais devastadores. 

REUTERS/Aude Guerrucci
REUTERS/Aude Guerrucci
</